quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Audi A4 conquista 5 estrelas nos testes do Euro NCAP


O novo Audi A4 encontra-se entre os veículos mais seguros da sua categoria face a toda a concorrência. A entidade europeia independente Euro NCAP atribui ao novo Audi A4 a pontuação máxima de cinco estrelas nos exigentes testes de segurança para adultos e para crianças, bem como no que concerne à protecção dos peões.
O novo Audi A4 encontra-se entre os veículos mais seguros da sua categoria face a toda a concorrência. A entidade europeia independente Euro NCAP atribui ao novo Audi A4 a pontuação máxima de cinco estrelas nos exigentes testes de segurança para adultos e para crianças, bem como no que concerne à protecção dos peões.
O modelo recebeu, também, o prémio “Euro NCAP Advanced” para os sistemas multicollision brake assist e para o Audi pre sense basic. O opcional "Audi pre sense basic" destina-se a medidas de proteção preventivas para os ocupantes em situações de perigo, como o aumento da tensão nos cintos de segurança e o fecho das janelas e do teto de abrir. Já o sistema multicollision brake assist (de série) evita o descontrolo do veículo ao travá-lo após o primeiro embate evitando, assim, novos embates consequentes.

A Audi também assegurou o valor máximo em segurança integral, com parâmetros acima das medidas avaliadas por esta entidade. Um sistema de segurança central, de série no A4 é o Audi pre sense city. Um sistema de alerta e de travagem de emergência preditiva para a prevenção de acidentes e para a protecção dos peões. A uma velocidade até 85 km/h, o sistema “observa” a estrada em relação aos outros utilizadores. O sistema alerta o condutor para uma iminente colisão em diferentes níveis: aviso, travagem de aviso e travagem de emergência automática.
Outros novos sistemas de assistência permitem ao Audi A4 ser ainda mais seguro ao circular. De série são oferecidos o sensor de estacionamento traseiro, cruise control, limitador de velocidade regulável, sistema de detecção de fadiga do condutor e o sistema de segurança Audi pre sense city. Como complemento, o novo A4 pode ser equipado com o Assistente anti-colisão, o Assistente de viragem e o Assistente de saída. O Assistente anti-colisão ajuda o condutor a contornar um obstáculo e assim evitar um acidente, o Assistente de viragem monitoriza o trânsito em sentido contrário em cruzamentos para a esquerda a baixa velocidade. Em situações de perigo, o sistema trava o A4 até à sua imobilização, se necessário, para evitar a viragem e o embate frontal. Com o Assistente de saída, os LED no interior das portas acendem na cor vermelho para avisar os passageiros da proximidade de uma bicicleta ou outro veículo em movimento, antes de abrirem totalmente as portas.
Fundado em 1997, o Euro NCAP analisa o desempenho de novos modelos em testes de colisão. Em 2015, este consórcio ampliou os requisitos para os testes de colisão nos casos dos impactos frontal e lateral, a fim dos dados recolhidos serem ainda mais precisos e idênticos com cenários reais de acidentes.

Honda CBR500RR


A CBR500RR está pronta para a acção, com uma série de actualizações abrangentes. Com um novo look mais elegante, as actualizações incluem ainda iluminação de LEDs, depósito de maior capacidade, forquilha dianteira com regulação e escape com uma sonoridade mais gratificante e melhor centralização de massas.

Rápida, económica, divertida e de preço acessível: esta é a Honda CBR500R que –desde 2013 – ajudou a redefinir e a dar um novo fôlego à classe de média cilindrada. Este modelo possui uma energia desportiva e o ADN da engenharia das CBRs de maior cilindrada, num conjunto muito equilibrado, equipado com o fantástico motor bicilíndrico da Honda.

O Rapaz e o Robô - Luísa Ducla Soares


Os robôs já não são ficção, fazem parte da realidade. Por isso, um jovem resolveu encomendar um robô igual a si próprio para o substituir em situações desagradáveis: nos testes de Matemática, nas visitas à tia Engrácia, nas tarefas domésticas… Foi o que fez o herói desta história, envolvendo-se numa série de peripécias. Querem saber o que aconteceu?

A colecção Educação Literária reúne obras de referência da literatura portuguesa e universal indicadas pelo Programa e Metas Curriculares de Português e pelo Plano Nacional de Leitura.

Audi A4 e Audi R8 vencem Golden Steering Wheel


O novo Audi A4 Limousine e o novo Audi R8 ganharam o Golden Steering Wheel 2015. A selecção foi feita pelos leitores da revista Auto Bild e jornal Bild am Sonntag, juntamente com um painel internacional de especialistas.
O prémio, um dos mais cobiçados da indústria automóvel, foi entregue ontem na sede da editora Axel Springer, em Berlim. Durante a cerimónia de entrega dos prémios, Rupert Stadler, Presidente do Conselho de Administração da Audi AG, destacou: "Estamos muito satisfeitos por, mais uma vez, termos sido tão bem sucedido neste prestigiado concurso. Este triunfo nos prémios Golden Steering Wheel proporciona-nos ainda mais incentivo no desenvolvimento dos novos modelo."


O novo Audi A4 Limousine superou todos os concorrentes a concurso na categoria média-alta. Dietmar Voggenreiter, Conselheiro de Marketing e Vendas da Audi AG, recebeu o Golden Steering Wheel para o A4: "O A4 é o Audi mais popular de sempre. A vitória no concurso Golden Steering Wheel confirma mais uma vez que esta história de sucesso vai continuar com a nova gama A4".
Na categoria dos desportivos, o novo Audi R8 ganhou entre os leitores e os membros do júri. O prémio foi entregue a Heinz Hollerweger, Director-Geral da quattro GmbH: "O novo Audi R8 é o Audi mais potente e mais rápido de todo o nosso portfólio de modelos de produção em série, em toda a história da marca. É o “top” em termos de dinâmica para a Audi, encontrando-se próximo de um carro de competição à semelhança de quaisquer outros dos nossos carros."


O sucesso da Audi foi complementado pelo segundo lugar assegurado pelo novo Audi Q7 na categoria luxo. Com um total de 25 prémios, a Audi lidera as estatísticas na história de 40 anos dos prémios Golden Steering Wheel. Em 2015, um total de 38 recém-lançados no mercado estiveram em competição para os prémios Golden Steering Wheel. Prémios adicionais foram entregues nas categorias dos compactos, SUV de tamanho médio e familiares.

Mourinho - José Mourinho


"Momentos, sentimentos, memórias, emoções - esta é a minha carreira, aquilo que quero partilhar, e a melhor maneira de o fazer é através de grandes imagens." No seu primeiro livro, José Mourinho cartografa os altos e baixos da sua ascensão ao topo do futebol mundial. Com mais de 100 imagens escolhidas cuidadosamente pelo Special One, esta é uma celebração visualmente sumptuosa da sua excepcional carreira de treinador e, mais do que isso, um vislumbre empolgante sobre a sua filosofia e sobre a sua enorme sabedoria futebolística.

Nas palavras de Mourinho, "Tem havido tantos livros escritos por pessoas que nem me conhecem, tantos livros cheios de comentários falsos, tantos livros tão distantes daquilo que penso, daquilo que sinto, do que sou." Este é o seu livro!

Honda NC750S


A naked utilitária NC750S recebe homologação EURO4 e um painel de instrumentos LCD, com opções de personalização de cores e duas pinturas de Edição Especial (SE) com iluminação de LEDs. A versão DCT de Transmissão de Dupla Embraiagem recebe novo modo S com 3 níveis e actualizações de software para os modos de condução MT e AT. O sistema de escape mais curto e de formato pentagonal oferece uma sonoridade mais profunda.

A NC750S é uma moto excepcionalmente "amiga do condutor": fácil de conduzir e "leve na carteira", tanto em termos do valor inicial de aquisição, como nos custos de manutenção. Este modelo apela a condutores já com experiência, que procuram uma moto económica mas muito capaz de enfrentar o trânsito da cidade e, igualmente, a condutores jovens que estão agora a subir de cilindrada e que também procuram performances, economia, funcionalidade e prazer da sua primeira moto "grande".

Novos Audi A4 e A4 Avant


A nova geração dos Audi A4 e A4 Avant são uma fascinante síntese de tecnologia e design. Toda a tecnologia totalmente desenvolvida no modelo mais vendido da marca para que, mais uma vez, defina a referência no segmento.
Um bom exemplo está no capítulo da aerodinâmica: o A4 Limousine apresenta o melhor coeficiente de resistência aerodinâmico na sua categoria, com um valor Cx de 0,23. Os novos modelos também apresentam emissões de CO2 muito reduzidas: 95 g/km para a versão A4 Limousine 2.0 TDI de 150 Cv (110 kW); o A4 Avant 2.0 TDI ultra emite emissões de CO2 de 99 g. Por sua vez, a variante 2.0 TFSI de 190 Cv (140 kW) apresenta emissões de 109 g/km no A4 Limousine ultra e de 114 g/km no A4 Avant ultra. Os motores mais potentes são duas unidades TDI de 6 cilindros com uma potência até 272 Cv (200 kW). Os sistemas de assistência à condução e de infotainment provêm dos segmentos superiores. Uma nova geração de motores de quatro cilindros TFSI com processos de combustão recentemente desenvolvidos estabelece os critérios de referência em termos de consumo de combustível, emissões e de desempenho para motores a gasolina de quatro cilindros.
Com um comprimento de 4,73 metros e uma distância entre eixos de 2,82 metros, os novos Audi A4 e A4 Avant têm um porte confiante na estrada. Uma proeminente linha horizontal na parte dianteira e traseira enfatiza a largura do veículo. Um design que flui com linhas concisas transmite a elegância desportiva da Audi. A grelha Singleframe é larga e baixa; os faróis, opcionalmente disponíveis em LED e com a tecnologia Matrix LED - incluindo os indicadores de mudança de direção dinâmicos – tornaram-se já numa tradicional marca visual.

Mais leve até 120 kg
Em comparação com o modelo anterior, as dimensões do veículo aumentaram mas o seu peso foi significativamente reduzido: até 120 kg, dependendo do motor. A carroçaria dos novos modelos da gama A4 da Audi passa a ser uma das mais leves na sua categoria, graças a uma mistura inteligente de materiais de construção leve.
O Audi A4 é também um líder na sua classe nos níveis de ruído e conforto acústico. Todos os ocupantes desfrutam de um generoso espaço; as linhas suaves enfatizam a largura do interior. A parte dianteira do tablier apresenta uma larga faixa das saídas de ar e uma grande superfície decorativa. À noite, o contorno discreto da iluminação (opcional) resplandece nos painéis das portas e na consola central. A qualidade dos acabamentos é intransigentemente elevada. Cores e materiais seguem um novo conceito de linha, permitindo aos clientes ainda mais liberdade de escolha na sua personalização.


Abertura do porta-bagagens controlada por sensores: o A4 Avant
O porta-bagagens do novo A4 Avant oferece uma volumetria base de 505 litros, valor superior ao de qualquer outro modelo premium deste segmento. Com os bancos traseiros rebatidos e com carga até ao tejadilho, disponibiliza um volume de 1.510 litros. A cobertura elétrica da bagageira pertence ao equipamento de série. Um extra opcional é o sensor de movimento para abrir e fechar o portão da bagageira. Os dois novos modelos oferecem abundantes tecnologias inteligentes, com uma utilização e formato ainda mais intuitivo através do novo conceito de controlo exibicional e o novo display do Audi MMI. Destaques tecnológicos do novo A4 incluem o Audi virtual cockpit, os faróis Audi Matrix LED, o interface do smartphone Audi, o sistema de som Bang & Olufsen com som 3D, o Audi phone box com carregamento sem fios, o head-up display, novos sistemas de assistência à condução e os mais recentes serviços introduzidos no Audi connect.

Informação e fascínio: o Audi virtual cockpit e o MMI
Destaque neste item em duas inovações. O Audi virtual cockpit (opcional), a combinação de uma instrumentação totalmente digital que destaca num ecrã LCD de 12,3 polegadas a exibição das informações mais importantes em brilhantes gráficos de alta resolução, com grande detalhe e efeitos sofisticados. O conceito de controlo do MMI na consola central é também uma característica recém-concebida e funciona como o elemento de controlo principal. O sistema de infotainment de topo de gama – sistema de navegação MMI plus com MMI touch e um grande monitor de 8,3 polegadas – possui um touchpad no controlo rotativo para aumentar ou diminuir o zoom e para digitar caracteres. Toda a lógica de controlo do MMI é semelhante ao de um smartphone e inclui uma função de pesquisa inteligente de texto livre. O novo e mais natural sistema de controlo de voz também “entende” uma linguagem quotidiana normal, tal como "Ligar ao Pedro Soares."
O sistema de navegação MMI plus apresenta um verdadeiro e concentrado poder de ligação, pois trata-se da segunda geração baseada na plataforma de infotainment modular, que permite à Audi importar inovações electrónicas de consumíveis mais rapidamente para dentro do veículo.
Se os clientes encomendarem o novo Audi A4 com o sistema de navegação MMI, automaticamente o veículo também dispõe do hardware do Audi connect, que liga o A4 e A4 Avant à Internet através da rede LTE de alta velocidade. Os passageiros podem navegar na Internet e enviar e receber e-mail com seus dispositivos móveis através de um hot-spot Wi-Fi, enquanto o condutor pode utilizar os serviços personalizados do Audi connect. Um novo recurso é o Audi smartphone interface que integra os sistemas iOS e Android para telemóveis num ambiente desenvolvido especialmente para esta finalidade - Audi MMI. O Audi phone box conecta smartphones à antena do veículo e permite o seu carregamento por indução, de acordo com o padrão Qi. Para os fãs mais exigentes do hi-fi, o inovador Bang & Olufsen Sound System com som 3D também está disponível, introduzindo uma dimensão adicional de topo de gama. O novo Audi tablet também pode ser utilizado como um entretenimento polivalente no banco traseiro.


Potentes motores de 6 e 4 cilindros
Os novos Audi A4 e A4 Avant serão lançados, com sete motores: três blocos TFSI e quatro motorizações TDI. A potência aumentou significativamente e varia entre 150 Cv (110 kW) e 272 CV (200 kW), mas o consumo de combustível foi reduzido em até 21 por cento. O A4 2.0 TDI ultra apresenta um consumo médio de combustível de apenas 3,7 l/km e emissões de CO2 de apenas 95 g/km); os valores relativos à variante Avant correspondente são de 3,8 l/100 km e 99 g/km de CO2. Todos os motores combinam elevada eficiência com uma potência desportiva plena de suavidade na condução. Tal aplica-se, em especial, aos dois blocos 3.0 TDI de 6 cilindros.
O novo Audi A4 destaca uma inovação revolucionária para os motores a gasolina: o bloco 2.0 TFSI ultra com 190 Cv (140 kW) utiliza totalmente um novo método de combustão que o torna especialmente eficaz e permite que o consumo de combustível seja de apenas 4,8 l/100 km e as emissões de CO2 de 109 g/km; os valores relativos ao modelo Avant correspondente são de 5,0 l/100 km e de 114 g/km de CO2. 

S tronic, Tiptronic e caixa manual
As transmissões e o chassis dos novos Audi A4 e A4 Avant foram completamente remodelados. A caixa manual de seis velocidades, o sistema S tronic de sete velocidades (agora também disponível para tracção dianteira) e o sistema Tiptronic de 8 velocidades foram redesenhadas; as transmissões automáticas oferecem agora a função de roda livre que permite poupança de combustível. O controlo de binário selectivo por roda complementa o trabalho dos modelos equipados com tracção dianteira ou com a tracção integral quattro. Para o mais potente TDI, a Audi vai oferecer um diferencial desportivo no eixo traseiro como uma opção (a partir de 2016).


Dinâmica de condução
A agilidade do novo A4 deu um grande salto em frente: por um lado orientado para o desportivismo e para as prestações, mas nunca descurando um excelente conforto. A suspensão e direcção filtram sem quaisquer problemas todas as irregularidades encontradas nas estradas, comunicando ao condutor todas as informações importantes como, por exemplo, o aumento de forças laterais e de rolamento. Este desempenho é baseado nos novos eixos de cinco braços das suspensões dianteira e traseira e, da direcção electromecânica assistida, de construção excepcionalmente leve. Elementos que permitem estabelecer a base para uma dinâmica de condução e de conforto de primeira classe e, ao mesmo tempo, reduzir o consumo de combustível. Opções adicionais são encontradas na direcção dinâmica, que varia a desmultiplicação de acordo com a velocidade do veículo e o ângulo de direcção e a suspensão com amortecimento variável com o qual o condutor pode, pela primeira vez, escolher entre duas configurações: sports ou comfort. As duas configurações de suspensão estão incluídas no sistema Audi drive select, que faz parte do equipamento de série para os modelos com motores a partir de 190 Cv (140 kW).

Maior variedade na sua categoria: sistemas de assistência à condução e de segurança
Os Audi A4 e A4 Avant definem o ponto de referência na sua categoria com numerosos sistemas de assistência ao condutor. O assistente de eficiência predictiva ajuda os condutores a economizar combustível, o Audi active lane permite que o veículo permaneça na sua faixa de rodagem e o Cruise control adaptativo com função Stop & Go, incluindo o assistente de trânsito que facilita a condução em condições de trânsito lento. Uma característica especial do assistente de trânsito é a sua estratégia de controlo. Leva em conta um grande número de parâmetros, tais como marcações da estrada e do tráfego que circula à frente do veículo. Algumas inovações que tornam mais importantes determinadas contribuições para a segurança são encontradas nos sistemas parking assist (estacionamento auxiliar), rear cross-traffic assist (auxiliar de trânsito transversal na parte traseira), aviso de saída de um estacionamento, assistente anti-colisão (prevenção de colisões), Assistente de viragem e o Audi pre-sense. Também está disponível uma câmara para o reconhecimento dos sinais de trânsito.

Honda NC750X


A derradeira moto utilitária da Honda recebe um estilo de aventura mais marcado, com um look novo e mais robusto, iluminação de LEDs, écran mais alto, forquilha revista, mais espaço para bagagem e novas cores personalizadas. A versão DCT de Transmissão de Dupla Embraiagem recebe novo modo S com 3 níveis e actualizações de software para os modos de condução MT e AT. O motor bicilíndrico paralelo de 750 cm³ é económico e passa a cumprir a norma EURO4; o escape foi revisto e tem agora uma sonoridade mais profunda.

Desde a sua estreia em 2012 (originalmente a NC700X), a versatilidade a toda a prova e as performances da NC750X tem estado na base do sucesso de vendas que este modelo tem registado, situando-se consistentemente entre os dez modelos mais vendidos em toda a Europa.

7ª Arte - Estreias de cinema de 31-12-2015

Estreias de cinema de 31 de Dezembro de 2015


Esta semana dentre as várias estreias de cinema nas salas nacionais o "Cultura e não Só" destaca as seguintes:



Creed: O Legado de Rocky

Adonis Johnson nunca conheceu o seu pai, Apollo Creed, campeão mundial de pesos-pesados, morto devido a ferimentos ocorridos no ringue. Depois de uma infância complicada que o levou por caminhos perigosos, ele está agora decidido a dedicar a sua vida ao boxe e tornar-se um campeão, em honra do progenitor. Para isso, segue viagem até à cidade de Filadélfia (EUA), o local do lendário combate entre Creed e Rocky Balboa. Adonis localiza Rocky e pede-lhe que lhe ensine as suas tácticas e se torne seu mentor. Apesar de relutante em voltar a envolver-se com o que, conscientemente, decidiu deixar para trás, Rocky reconhece no jovem uma força e determinação raras, fundamentais a um vencedor. Juntos, decidem fazer equipa e criar um novo campeão cujas vitórias o transformarão no justo sucessor de Apollo Creed.
Sétimo filme da saga “Rocky”, conta com argumento e realização de Ryan Coogler e com Robert Chartoff, Irwin Winkler e Sylvester Stallone na equipa de produção. Para além de Stallone no seu mítico papel de Rocky Balboa, o elenco conta ainda com Michael B. Jordan, Tessa Thompson, Tony Bellew ou Graham McTavish, entre outros. 



A Rapariga Dinamarquesa

Dinamarca, década de 1920. O casal Einar e Gerda Wegener são dois pintores reconhecidos. Um dia, por mero acaso, a rapariga que Gerda contratou para retratar nas suas pinturas cancela o encontro. Sem alternativa, lembra-se de usar o próprio marido como modelo. Ele acede ao seu pedido. Será naquele momento que ele, usando roupas de mulher, sente nascer dentro de si algo que, com o passar do tempo, se transformará no mais intenso desejo da sua vida: ser mulher. Se, ao princípio, isto lhes parece a ambos uma espécie de jogo, aos poucos leva-o a uma lenta transformação numa outra pessoa, que o obriga a viver uma vida dupla enquanto Einar ou Lili – o nome adoptado na sua “persona” feminina. Até que ele decide arriscar uma cirurgia experimental na Alemanha para mudar de sexo, tornando-se na primeira pessoa a submeter-se a uma intervenção do género. Ao longo de dois anos, Lili Elbe foi operada cinco vezes. No final deste processo, solicitou ao rei da Dinamarca que dissolvesse o seu casamento. O pedido foi concedido em 1930, altura em que conseguiu ver legalizada a sua nova identidade. Durante todo o processo, Gerda esteve sempre ao seu lado…
Estreado na 72.ª edição do Festival de Cinema de Veneza, um filme dramático que conta com a assinatura de Tom Hooper ("O Discurso do Rei", “Os Miseráveis”). O argumento é baseado na obra homónima de David Ebershoff que, por sua vez, se inspira na extraordinária história dos artistas Einar Wegener/Lili Elbe e Gerda Wegener.
Os actores Eddie Redmayne, Alicia Vikander, Ben Whishaw, Sebastian Koch, Amber Heard e Matthias Schoenaerts dão vida às personagens. 



Solace: Premonições

John Clancy é um agente da polícia reformado que possui poderes paranormais. Esta capacidade, que lhe permite ter visões do passado e do futuro, é, simultaneamente, um dom e uma maldição com que foi obrigado a viver toda a vida. É então que o agente do FBI Joe Merriwether e a sua colega Katherine Cowles o persuadem a voltar ao activo para os ajudar a encontrar um assassino em série que perseguem há meses e que não há meio de identificarem. Mas tudo se complica quando John se apercebe de que o assassino que todos anseiam por encontrar também possui poderes de clarividência e que consegue antecipar cada um dos seus passos…
Um “thriller” de acção realizado por Afonso Poyart (“Dois Coelhos”) segundo um argumento de Peter Morgan e Sean Bailey e que conta com Anthony Hopkins, Colin Farrell, Jeffrey Dean Morgan e Abbie Cornish nos papéis principais.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Renault Clio R.S. 220 EDC Trophy


Quando se pensa em desportivos compactos, a ligação à Renault é imediata. Desde os anos 60, modelos como o Dauphine Gordini, o 8 Gordini, o 5 Turbo, o Clio V6, o Clio Williams e as várias gerações do Clio R.S. ganharam o estatuto de ícones. E a razão é simples: nunca se trataram de simples desportivos, mas sim de desportivos de eleição, capazes de rivalizar em desempenhos, eficácia e tecnologia com segmentos bastante superiores. No fundo, propostas acessíveis, mas exclusivas, capazes de elevar o ritmo cardíaco, as emoções e o nível de adrenalina a valores que pareciam reservados a superdesportivos.
O Renault Clio R.S. 220 EDC Trophy é disso exemplo. Uma série limitada numerada (com 12 unidades reservadas a Portugal) que, em relação ao Clio R.S. 200 EDC, beneficia de desenvolvimentos vários. Uma nova gestão electrónica, um turbo de maiores dimensões e um novo sistema de escape dotou o motor 1.6 turbo com mais 20 cavalos de potência e 40 Nm de binário, reivindicando agora 220 cavalos e 280 Nm de binário às 2.500 rpm – mais 750 rpm que a versão de 200 cavalos. Apesar do incremento de potência, os valores de consumos mantiveram-se inalterados – 5,9l/100km em ciclo misto. Para isso também contribui o Stop & Start, que fica activo quando se roda em modo Normal.

Mais potência = Melhores performances
Mas se os números traduzem os desenvolvimentos operados pela Renault Sport, ao volante isso ainda é mais perceptível... Os 280 Nm de binário mostram a sua pujança sempre que se engrena a quarta ou a quinta velocidade. Aliás, agora apenas são precisos 26,4 segundos para chegar dos 0 aos 1.000 metros, em vez dos 27.1 segundos do R.S. “normal”. 
Talvez ainda mais impressionante seja a evolução operada na caixa EDC, uma caixa de velocidades de dupla embraiagem, com comandos através de patilhas no volante. Essa sensação é bem evidente quando se opta pelo modo Sport ou Race, sendo, neste último, que, verdadeiramente, o Clio R.S. 220 EDC Trophy revela o seu carácter genuíno. Nestas circunstâncias, a caixa de velocidades pode ser até 30 por cento mais rápida do que a do R.S. 200 EDC, permitindo igualmente reduzir mais cedo, sempre que se recorre a travagens mais bruscas. Por outro lado, o braço substitui a ajuda electrónica do ESP e tudo se torna mais reactivo, para deleite de quem está ao volante.


Dinâmica ainda mais apurada
Na realidade, o Clio R.S. 220 EDC Trophy “devora” o asfalto com uma rapidez e eficácia estonteantes. Ainda em relação ao R.S. “normal”, sente-se a direcção ainda mais precisa e directa, fruto de uma nova cremalheira, com uma desmultiplicação reduzida em 10 por cento. Mas também o chassis revela progressos, apesar dessa tarefa parecer quase utópica quando a primeira versão do Clio R.S. foi lançada há pouco mais de dois anos. Ao rebaixarem o chassis - 20 mm à frente e 10 mm atrás – e ao incorporarem amortecedores mais rígidos, os técnicos da Renault Sport conseguiram tornar esta série limitada ainda mais emocionante e eficaz. Determinantes para isso também são os pneus Michelin Pilot Super Sport 205/40R18.

Um sistema de telemetria sem paralelo
E tudo isso é passível de ser comprovado em números e em gráficos. Com o R.S. Monitor 2.0, um sistema de telemetria exclusivo do segmento e que nem sequer tem paralelo em segmentos superiores, permite ao “piloto” de serviço monitorizar diferentes temperaturas, valores de binário e de potência em tempo real, pressão do turbo, pressão da travagem, ângulo do volante, regime do motor, binário à roda, acelerações, forças “G”, cronómetro, entre outras funções. Mas para o Clio R.S. 220 EDC Trophy ainda foi incorporada uma outra função: a de ajustamento da progressividade do pedal do acelerador, em função de 5 modos. E recorde-se que todos os dados podem ser gravados numa pen, para posterior análise no computador de casa. Por exemplo, 1 hora de condução ocupa um ficheiro com apenas 3MB.


Exclusivo também na "roupagem"
Mas não é apenas nas performances, na eficácia e na tecnologia que o Clio R.S. 220 EDC é diferenciador. Na carroçaria destaque para a presença da assinatura “Trophy” na lâmina dianteira junto à grelha, no friso lateral e na soleira da porta. Uma referência, igualmente, para as exclusivas jantes “Trophy” de 18 polegadas, bem como para a cor exclusiva Branco Givre Nacarado Mate, possível de conciliar com o tecto em preto.
No interior, o ambiente não esconde a inspiração na competição, não faltando os pedais em alumínio, os bancos ao melhor estilo “bacquet”, o volante em couro perfurado e, claro, o sistema R.S. Monitor 2.0.
Com apenas 12 unidades reservadas para Portugal, o Renault Clio R.S. 220 EDC Trophy pode ser adquirido por 30.790€ (mais 1.800€ que o Clio R.S. 200 EDC), beneficiando da garantia contratual de cinco anos / 100.000 km transversal a toda a gama da marca.

Honda CB500X


A CB500X é o modelo de aventura de 35 kW (48CV), ideal para os detentores da carta A2, recebe uma importante renovação em todo o seu estilo crossover, com melhor protecção aerodinâmica e pára-brisa mais alto; outras actualizações incluem um depósito de combustível de maior capacidade, iluminação de LEDs, forquilha dianteira com afinação da pré-carga, novo escape de menor peso e manete de travão com regulação.

Com as suas performances vigorosas e abrangentes, estilo adventure, preço bastante acessível e baixos custos de manutenção, a bicilíndrica CB500X é o modelo ideal para iniciar uma relação para a vida com o mundo das motos. A posição de condução, espaçosa e de tronco direito, o depósito de capacidade substancial e as suspensões de longo curso injectam uma sensação genuína de aventura cada vez que o condutor se sentar aos comandos, tornando este modelo igualmente apto para as deslocações diárias e as escapadelas de fim-de-semana.

Volkswagen Passat Alltrack


O novo Volkswagen Passat Alltrack começa agora a circular nas estradas portuguesas, apresentando-se como uma nova versão do Passat Variant com uma carroçaria mais elevada em relação ao solo em 2,75 centímetros e com protecções na parte inferior. Estas alterações, em conjunto com o sistema de tracção 4Motion (de série), tem como finalidade facilitar a condução em estradas não asfaltadas. Outros detalhes no exterior, no habitáculo e no equipamento também diferenciam o Alltrack das restantes versões do Passat Variant. Na fase inicial de lançamento estará disponível no mercado nacional a motorização 2.0 TDI, com três níveis de potência (150, 190 e 240 Cv), e caixa manual de seis velocidades e automática DSG de 6 ou 7 velocidades. Os preços variam entre os 41.220 euros (150 Cv), 45.888 euros (190 Cv) e os 50.419 euros (240 Cv).

A nova geração do Volkswagen Passat Alltrack com tração 4MOTION. Com o Passat Alltrack, a Volkswagen passou a ocupar, desde 2012, uma lacuna existente entre os mundos “On-road” e “Off-road”. O surgimento da nova geração permitiu evidenciar este conceito de uma forma ainda mais marcante. De destacar no Passat Variant Alltrack o sistema de tracção total 4MOTION (de série), uma maior distância ao solo, uma carroçaria protegida com vários elementos e estribos protuberantes, para-choques de novo desenho e muitas outras características exclusivas no exterior e no interior. O novo Passat Alltrack oferece mais soluções a pessoas dinâmicas e activas, que podem encontrar tudo num único veículo propício para viagens de lazer ou profissionais, bem como um espaço que poderá
ser equiparado a um SUV compacto. O Alltrack é um veículo robusto com excelentes ângulos de entrada, de saída e de vau, sendo que o chassis adaptado e o sistema de tracção 4MOTION conferem uma agilidade e fiabilidade única, inclusive quando transita em terrenos de maior dificuldade.


Novos motores
As motorizações disponíveis para o Alltrack no mercado nacional são repartidas entre três blocos TDI, em que o conjunto de motores sobrealimentados de injecção directa cumpre a norma de emissões europeia Euro 6. Todas as versões estão equipadas com o sistema “Start/Stop” e o modo de travagem regenerativo (de série). O motor de entrada é um bloco 2.0 TDI com uma potência de 150 Cv entre as 3.500 e as 4.000 rpm e um binário máximo de 340 Nm entre as 1.750 e as 3.000 rpm. Equipado com uma caixa manual de 6 velocidades, a velocidade máxima é de 205 km/h e a aceleração 0-100 km/h de 9,2 segundos. Em termos de consumo o valor médio ponderado é de 4,9 l/100 km (emissões de CO2: 129 – 130 g/km). Por sua vez, o segundo motor 2.0 TDI apresenta uma potência de 190 Cv entre as 3.600 e as 4.000 rpm e um binário máximo de 400 Nm entre as 1.900 e as 3.300 rpm. Acoplado a uma transmissão automática DSG de 6 velocidades, o valor de consumo médio ponderado varia entre 5,1 e 5,2 l/100 km (emissões de CO2: 135 – 137 g/km). A velocidade máxima chega aos 220 km/h e a aceleração 0-100 km/h é de 8,0 segundos.
Um dos superlativos tecnológicos de propulsão é o bloco turbodiesel de 4 cilindros mais potente: um motor bi-turbo de 2.0 litros com 240 Cv de potência às 4.000 rpm e um consumo médio ponderado de apenas 5,5 l/100 km (CO2: 144 - 145 g/km). Equipado com este motor, o Alltrack atinge uma velocidade máxima de 234 km/h e uma aceleração 0-100 km/h de 6,4 segundos. Na sequência do elevado binário máximo disponível de 500 Nm às 2.500 rpm, o Passat Alltrack de 240 Cv está equipado de série com a transmissão automática DSG de 7 velocidades.
Tração 4MOTION de série. O novo Passat Alltrack foi projectado para destacar um rendimento idêntico quando circula em estrada ou fora-de-estrada. A base técnica está na tracção integral 4MOTION com a inovadora embraiagem Haldex de quinta geração. Paralelamente à embraiagem Haldex, que actua como diferencial longitudinal, o bloqueio electrónico do diferencial às quatro rodas EDS, integrado no controlo electrónico de estabilidade ESC, actua como diferencial transversal nos dois eixos. 

Além disso, o Alltrack está equipado com o XDS+ (de série na versão de 240 Cv e opcional nas restantes duas variantes) nos eixos dianteiro e traseiro – quando o veículo aborda uma curva a uma velocidade mais elevada, o sistema trava de uma forma optimizada, assim como melhora o comportamento da direcção. Tecnicamente, o “XDS+” é uma função adicional do diferencial electrónico do eixo dianteiro.


Modo “Off-road”
Todos os Passat Alltrack apresentam uma selecção de perfis de condução de série. Estão disponíveis quatro perfis de condução – "Eco", "Normal", "Sport" e "Off-road" – ou seis perfis de condução em conjunto com o DCC (suspensão adaptativa electrónica), i.e. os quatro já mencionados mais os modos “Comfort” e “Individual”. O perfil de condução DCC é de série no Alltrack 2.0 TDI de 240 Cv. Todos os assistentes e os sistemas dinâmicos de condução relevantes adaptam-se à condução “Off-road”, pressionando um botão que está disponível exclusivamente no Alltrack. A condução neste modo traduz-se num poder de tracção completamente modificado que auxilia o exercício da condução fora-de-estrada – por exemplo, entre outras características, o Hill Descent Assist  é activado automaticamente. Assim que o perfil é activado na consola central, o modo de condução é visualizado no ecrã do sistema de informação e entretenimento. Aqui o condutor pode seleccionar o programa “Off-road”. 

O Passat Alltrack é um modelo personalizado no seio da gama, dispondo de uma grande variedade de detalhes exclusivos. Alguns desses componentes de equipamento no exterior são os para-choques com novo desenho, protecção inferior em aço (à frente com faróis de nevoeiro específicos e atrás com um sistema de escape trapezoidal integrado), coberturas dos espelhos retrovisores exteriores em “Cromo mate”, siglas “Alltrack” na grelha do radiador e no portão traseiro, barra no tejadilho em prata anodizada, jantes de liga leve específicas de 17 polegadas havendo as opções de 18 e 19 polegadas), contorno dos guarda-lamas e das soleiras em antracite, protuberantes soleiras com aspecto de alumínio polido, assim como uma sigla “Alltrack” integrada numa placa situada na zona lateral dianteira.


Equipamento interior
À semelhança do exterior, também o interior do Passat Alltrack foi adaptado especificamente às características individuais deste modelo. A personalização desta versão estende-se desde as robustas incrustações em aço na zona inferior de acesso das portas com a sigla “Alltrack” até aos bancos confort do tipo “Alltrack”, passando por tapetes com costuras duplas. Os flancos dos bancos são revestidos em Alcantara e as bandas centrais com o novo tecido “7 Summits”. Como opcional são propostos outros tipos de couro, bancos climatizados e com função de massagem, estando também disponíveis 14 regulações eléctricas. As capas dos pedais são em alumínio. Adicionalmente também foi personalizado o ecrã “Activ Info Display”. A faixa de ventilação horizontal foi enriquecida com uma aplicação específica de desenho “Alltrack”. Outros dos detalhes do equipamento de série são um interface para telemóveis através do qual existe a possibilidade de uma ligação ao Smartphone com a antena exterior do Passat Alltrack; a cobertura do interface possui a sigla “Alltrack”. Desenho com base no Passat da oitava geração. A variante Alltrack baseia-se no Passat da oitava geração e, como tal, na Plataforma Modular Transversal (MQB). Este veículo polivalente dispõe de uma vanguardista e ampla gama de assistentes de condução e sistemas de informação e de entretenimento. 

Algumas destas tecnologias são o sistema “Active Info Display” (instrumentos completamente digitais), o “Head-up-Display” (que projeta a informação no para-brisas), o sistema “Media Control” para tablet, o sistema “Front Assist Plus” com assistente de travagem de emergência em cidade e reconhecimento de peões (“City Emergency Braking with Pedestrian Detection”) (de série), o sistema “Side Assist” (assistente de mudança de faixa de rodagem), o sistema “Emergency Assist” (paragem do veículo em caso de emergência), o “Traffic Jam Assist” (ajuda de condução no trafego), o “Rear Traffic Alert” (deteta os veículos que se aproximam pelas partes laterais durante o estacionamento em marcha-atrás), o “Area View”, um nível de personalização inédito até ao momento e o
sistema “Trailer Assist” (manobrabilidade de reboque assistida).

Honda CB500F


A CB500F é o modelo estradista de 35 kW (48CV) ideal para os detentores da carta A2 recebe uma renovação mais marcada para 2016, com um aspecto naked mais musculado; outras actualizações incluem um depósito de combustível de maior capacidade, iluminação de LEDs, forquilha dianteira com afinação da pré-carga, novo escape de menor peso e manete de travão com regulação. A gama de 6 cores novas complementa o aspecto mais agressivo deste modelo.

A CB500F entrou para a gama de modelos de média cilindrada da Honda em 2013. De dimensões compactas, mas com uma potência disponível que o seu aspecto contido não faria supor, esta moto oferece uma condução cheia de adrenalina e sensações plenas de uma moto maior, acessível aos detentores da carta A2 que pretendem evoluir de uma 125; ao mesmo tempo, a sua agilidade e funcionalidade abrangente, as performances vigorosas e os custos de manutenção, muito contidos, fazem deste modelo a opção ideal para quem precisa de um meio de transporte eficaz e económico para o dia-a-dia e uma moto com a qual podem viajar aos fins-de-semana, independentemente do nível de experiência do condutor.


Contos de cães e maus lobos - Valter Hugo Mãe


A escrita encantatória de Valter Hugo Mãe chega ao conto como uma delicadíssima forma de inclusão. Estes contos são para todas as idades e são feitos de uma esperança profunda.

Entre a confiança e o receio, cães e lobos são apenas um símbolo para a ansiedade perante a vida e a fundamental aprendizagem de valores e da capacidade de amar. Entre a confiança e o receio estabelecemos as entregas e a prudência de que precisamos para construir a felicidade.
Com a participação plástica de Ana Aragão, Cadão Volpato, Daniela Nunes, David de la Mano, Duarte Vitória, Filipe Rodrigues, Graça Morais, JAS, Joana Vasconcelos com Alice Vasconcelos, José Rodrigues, Luís Silveirinha, Nino Cais, Paulo Damião

Honda Integra


A Honda renovou o modelo Integra para 2016, esta scooter exclusiva da Honda recebe iluminação de LEDs, nova forquilha Showa de Válvulas "Dual Bending" e painel de instrumentos LCD com cores personalizadas; como complemento das actualizações de estilo, a Integra está disponível em duas opções de cor de Edição Especial com acabamento metalizado. A Transmissão DCT, de Dupla Embraiagem, recebe novo modo S com 3 níveis e actualizações de software para os modos de condução MT e AT. O motor bicilíndrico paralelo de 750 cm³ continua muito económico e passa a cumprir a norma EURO4; o escape foi revisto e tem agora uma sonoridade mais profunda.

O amante japonês – Isabel Allende


Em O amante japonês, Isabel Allende regressa ao estilo que tanto entusiasma o seu público, relatando de forma soberba uma história de amor que sobrevive às rugas do tempo e atravessa gerações e continentes.

Em 1939, quando a Polónia capitula sob o jugo dos nazis, os pais da jovem Alma Belasco enviam-na para casa dos tios, uma opulenta mansão em São Francisco. Aí, Alma conhece Ichimei Fukuda, o filho do jardineiro japonês da casa. Entre os dois brota um romance ingénuo, mas os jovens amantes são forçados a separar-se quando, na sequência do ataque a Pearl Harbor, Ichimei e a família – como milhares de outros nipo-americanos – são declarados inimigos e enviados para campos de internamento. Alma e Ichimei voltarão a encontrar-se ao longo dos anos, mas o seu amor permanece condenado aos olhos do mundo.

O primeiro Volkswagen Beetle saiu da linha de produção há 70 anos


O início da produção em série do lendário Carocha iniciou-se pouco depois do Natal 1945, marcando uma nova era no fabrico de veículos particulares. Foi logo após o primeiro Natal do pós-guerra, em 1945, que o primeiro Volkswagen Type 1 – o modelo conhecido como Beetle – saiu da linha de montagem, tendo sido vendidos desde então mais de 21 milhões de unidades. Até ao final de 1945, a produção total não ultrapassou os 55 veículos. O início da produção em série não passou de uma operação altamente improvisada, prejudicada pela escassez de material ao longo dos meses subsequentes. No entanto, os primeiros veículos eram símbolos visíveis de esperança, representando
um novo começo para a fábrica de automóveis que tinha ficado sob o controlo britânico.
Até ao final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, apenas 630 unidades do “carro do povo” conhecido como o “KdF-Wagen” tinham sido construídas. A fábrica, que viria a tornar-se na atual unidade fabril sedeada em Wolfsburgo, havia sido destinada à produção da indústria de variado armamento militar alemão no tempo da guerra. O local foi ocupado pelas tropas dos Estados Unidos no dia 11 de Abril de 1945. Em Junho de 1945, o Governo Militar Britânico assumiu tutela da fábrica, incluindo a totalidade dos seus 6.000 trabalhadores.
No dia 22 de Agosto de 1945, o recém-nomeado Director, o Major Ivan Hirst de 29 anos, recebeu um pedido inicial de 20.000 veículos, proporcionando-se a continuidade da fábrica e um novo futuro para os seus colaboradores. Este contexto foi decisivo para o término da ameaça da descontinuidade e consequente desmantelamento da fábrica. 


Os veículos foram destinados principalmente para serem usados pelos Aliados no período da “Ocupação”, mas também para ajudar a fornecer serviços de cuidados de saúde nas zonas rurais. A produção média mensal foi de cerca de 1.000 veículos no período de 1946-1947. Apenas depois da reforma monetária, em Junho de 1948, começou a surgir um número significativo de compradores particulares.
As raízes britânicas da Volkswagen são ainda hoje evidentes. Foram os britânicos que converteram a fábrica numa unidade de produção de veículos destinados à população civil, incidindo o caderno de encargos na garantia da qualidade dos mesmos. Prestaram particular atenção ao serviço e satisfação das necessidades dos clientes e criaram uma rede de concessionários que, em 1948, já abrangia todas as três zonas ocidentais da Alemanha. O início das exportações em Outubro de 1947 marcou um primeiro passo para a internacionalização. As primeiras eleições da Comissão dos Trabalhadores aconteceram em Novembro de 1945, apenas seis meses após o final do conflito mundial, tendo sido introduzidos os princípios da participação democrática dos empregados na gestão da fábrica. Em Outubro de 1949 a companhia Volkswagenwerk GmbH começou a ser gerida por responsáveis alemães, passando a ocupar a “pole-position” no início do milagre económico da Alemanha.
O Dr. Manfred Grieger, Diretor da Volkswagen Aktiengesellschaft do Departamento Corporativo Histórico, resume: “A Volkswagen teve muita sorte com o facto do robusto Beetle ter servido para ajudar o Governo Militar Britânico a desempenhar as suas funções administrativas, bem como com o facto de ter encontrado em Ivan Hirst o homem certo para dirigir a organização. O hábil e pragmático britânico deu à fábrica e aos seus colaboradores uma visão, motivando igualmente os militares britânicos e os trabalhadores alemães para transformar a débil capacidade produtiva num bem-sucedido negócio orientado para o mercado. O Ivan Hirst conhecia as qualidades do Volkswagen Saloon e foi capaz de as traduzir no mercado”.


O Carocha foi um factor-chave para o desenvolvimento da democratização e mobilidade na Alemanha do pós-guerra, encontrando posteriormente um lar em muitos outros países e, consequentemente, actuando como um importante embaixador na promoção de uma imagem positiva da Alemanha. O local da produção do último Carocha foi na fábrica de Puebla, no México, a qual foi interrompida no final de Julho de 2003. Com mais de 21 milhões de veículos produzidos, o Carocha tornou-se um ícone da indústria automóvel, amado por muitos milhões de pessoas. As suas formas e traços distintivos são reconhecidos em todos os lugares.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Ardenas 1944 de Antony Beevor


A Última Jogada de Hitler. Do autor de Estalinegrado, A Queda de Berlim e Paris Após a Libertação, entre vários outros, chega-nos o mais recente trabalho na série de grandes batalhas da Segunda Guerra Mundial. Ardenas 1944: A Última Jogada de Hitler conta a história da última tomada de posição da Alemanha. No dia 16 de Dezembro de 1944, Hitler deu início à sua «última jogada» nas florestas e desfiladeiros cobertos de neve das Ardenas. Estava convicto de que seria capaz de dividir os Aliados se fosse até Antuérpia para obrigar os canadianos e os britânicos a saírem da guerra. 

Embora os seus generais tivessem dúvidas sobre o êxito do empreendimento, os oficiais mais jovens e menos graduados estavam desesperados por acreditar que as suas casas e as suas famílias podiam ser salvas do Exército Vermelho, que se aproximava, vingador, de leste. Muitos exultavam perante a expectativa de contra-atacar. A ofensiva nas Ardenas, que envolveu mais de um milhão de homens, tornou-se a maior batalha da guerra na Europa Ocidental. 

As tropas americanas, apanhadas de surpresa, deram por si a lutar contra dois exércitos de Panzers. Os civis belas fugiram, justificadamente com receio da vingança alemã. O pânico espalhou-se até Paris. Muitos americanos desertaram ou renderam-se, mas muitos outros mantiveram-se heroicamente firmes, atrasando o avanço alemão. O inverno rigoroso e a selvajaria da batalha tornaram-na comparáveis à frente oriental.

E depois dos massacres das Waffen-SS, até os generais americanos deram a sua aprovação quando os seus homens mataram alemães que se rendiam. As Ardenas foi a batalha que quebrou finalmente a Wehrmacht.

Novo HR-V e o novo Jazz com 5 estrelas Euro NCAP,


O Novo HR-V e o novo Jazz são os mais recentes modelos da gama da Honda a receberem a classificação máxima da Euro NCAP, a organização independente que avalia a segurança dos veículos à venda na Europa. Ao abrigo dos novos regulamentos de teste para 2015, ambos obtiveram a máxima classificação de 5 estrelas, o que reflecte o empenho da Honda para com a segurança dos seus veículos.

Para o Jazz, este resultado de 5 estrelas é particularmente importante, já que é apenas o segundo veículo da sua classe a obter esta classificação, durante este ano. Tanto o Jazz como o HR-V estão ambos equipados de série com o sistema de travagem activa em cidade (CTBA) da Honda, tal como o resto da gama. Recorrendo à tecnologia laser, o sistema CTBA detecta o que se passa à frente do veículo e aplica automaticamente os travões se detectar a probabilidade de ocorrência de uma colisão a baixa velocidade.


As versões intermédias e de topo de ambos os modelos estão equipadas com o pack ADAS (Advanced Driver Assist System – Sistema Avançado de Ajuda à Condução), um conjunto de tecnologias de segurança activa que inclui: Avisador de Colisão à Frente, Sistema de Reconhecimento de Sinalização de Trânsito, Limitador Inteligente da Velocidade, Avisador de Saída da Faixa de Rodagem e Sistema de Suporte dos Máximos.

O Novo HR-V e o novo Jazz juntam-se assim ao resto da gama da Honda na classificação de 5 estrelas que inclui o Civic e o CR-V fabricados em Swindon.
O sistema de classificação da Euro NCAP centra-se nas performances gerais da segurança do veículo, oferecendo aos clientes um sistema simples e fácil de classificação. Esta classificação considera diversos aspectos da segurança do veículo, nomeadamente, a protecção dos ocupantes, das crianças e dos peões, bem como a disponibilidade e a eficácia dos sistemas de auxílio à condução.

Bem-vindos a Joyland de Stephen King


Por detrás do brilho das luzes, escondem-se as trevas… Devin Jones, estudante universitário, aceitou o trabalho de verão em Joyland na esperança de esquecer a rapariga que lhe partiu o coração. Mas acaba por se deparar com algo muito mais terrível: o legado de um homicídio perverso, o destino de uma criança moribunda e verdades obscuras acerca da vida, e do que se lhe segue, que irão mudar para sempre a sua vida.

Uma história intensa de amor e perda, acerca de crescer e de envelhecer - e daqueles que não chegam a ter tempo para uma coisa nem para outra por serem ceifados pela morte antes disso. Com todo o impacto emocional das grandes obras de Stehen King, Bem-vindos a Joyland é ao mesmo tempo um policial, uma história de terror e um romance de formação que deixará o leitor profundamente comovido.

3 500 000 de veiculos DACIA vendidos

Em Novembro, Jody Panov, de 32 anos, recebeu das mãos de Denis Le Vot, director comercial para a Europa, as chaves do 3 500 000º Dacia vendido depois do renascimento da marca em 2004. Jody Panov tornou-se a feliz proprietária de um Dacia Sandero Stepway na primeira vez que adquiriu um automóvel novo.
Foi o design do Sandero Stepway que seduziu Jody quando ela se deslocou à concessão de Mill Lane para obter informações e…posteriormente, encomendar o seu Sandero Stepway !

«Ao entregar as chaves do 3,5 milionésimo Dacia fico muito satisfeito que isso aconteça no Reino-Unido onde lançámos a marca em 2013, explica Denis Le Vot, Ao ultrapassar os 3,5 milhões de clientes a Dacia confirma o seu sucesso graças a uma promessa simples e clara que responde perfeitamente às necessidades dos clientes que procuram um automóvel fiável, seguro, com modernos equipamentos e prestações, a preços acessíveis.»

Dacia: mais de 10 anos de sucesso
Em pouco mais de dez anos a Dacia vendeu 3,5 milhões de automóveis na Europa e na bacia do Mediterrâneo. E, dois anos após a completa renovação da gama a marca Dacia continua a crescer. No primeiro semestre de 2015 as vendas da Dacia aumentaram 10,1% para um volume de 290 024 unidades. 

Na Europa as vendas cresceram 5,5% no primeiro semestre atingindo as 205 436 unidades. Dos 44 países que comercializam a marca Dacia, 19 (entre os quais Portugal com 2.325 automóveis vendidos) estabeleceram um novo recorde de vendas da marca no primeiro semestre de 2015. 

Casino Estoril acolhe espectáculo "74.14" de 22 a 24 de Janeiro


O Salão Preto e Prata do Casino Estoril acolhe, nos próximos dias 22, 23 e 24 de Janeiro, o espectáculo “74.14”, da autoria de Henrique Feist e com direcção musical de Nuno Feist. Trata-se de um curto ciclo de representações que convida o público a recordar grandes êxitos que marcaram as últimas quatro décadas da música nacional e internacional.

A ArtFeist produziu, em 2014, o espectáculo “74.14”, associando-se à celebração dos 40 anos da Revolução de 25 de Abril de 1974, a qual devolveu a “liberdade” a Portugal. Após esgotar algumas das principais salas de espectáculos do país, “74.14” apresenta-se, desta vez, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril.

“Há quarenta anos entrávamos em democracia, 40 anos desde o 25 de Abril.
74.14 é um espectáculo que visa celebrar estes últimos 40 anos através da música que neles mais êxito tiveram. Os maiores êxitos musicais desde 1974 até aos dias de hoje. As canções que mais cantámos, trauteámos, escutámos, dançámos. Desde a música portuguesa até à música brasileira, inglesa, norte-americana, francesa, italiana, espanhola e africana”, explica Henrique Feist.

Com um enquadramento revivalista, o espectáculo “74.14” reúne em palco um versátil elenco de intérpretes: Henrique Feist, Susana Félix, FF, Soraia Tavares, Rui Andrade, Susy, Daniel Galvão e Joana Almeida.

“74.14” presta homenagem a nomes consagrados como, por exemplo, José Cid, Carlos do Carmo, Sérgio Godinho, Tonicha, Marco Paulo, Duo Ouro Negro, Paulo de Carvalho, Salada de Frutas, UHF, Táxi, Doce, Trovante, Jorge Palma, Rui Veloso, Xutos, Paulo Gonzo, Carlos Paião, Madredeus, Maria Bethânia, Roberto Carlos, Gal Costa, Elis Regina, Rita Lee, Chico Buarque, Caetano Veloso, ABBA, Supertramp, Madonna, Tina Turner, Michael Jackson, Elton John ou Whitney Houston.

“Ao som de quantas canções destes últimos quarenta anos é que já dançámos, já rimos, já chorámos, já namorámos…74.14 põe essas memórias todas em dia! Afinal, o que seria destes últimos quarenta anos sem música?”, questiona o autor Henrique Feist.

O Salão Preto e Prata do Casino Estoril recebe, nos próximos dias, 22, 23 e 24 de Janeiro, o espectáculo “74.14”.

- Dia 22 de Janeiro: 21h30
- Dia 23 de Janeiro: 16h00 e 21h30
- Dia 24 de Janeiro: 16h00

Renault Clio - 25 Anos


Em Setembro de 1990 vários locais da cidade de Lisboa foram invadidos por uns “estranhos” e gigantes ovos vermelhos. Este era o prenúncio de uma das maiores campanhas de lançamento feitas, em Portugal, para um automóvel. E não era para menos: a Renault ia lançar um modelo destinado a fazer história. O Renault Clio. Em 2015, o Renault Clio está de parabéns… Faz 25 anos! 



James Bond recebe prémio do Guinness World Records™


Para além dos recordes de bilheteira que bateu à volta do mundo, 007 SPECTRE, a 24ª aventura de James Bond recebeu o prémio do Guinness World Records™ para a maior explosão num filme.

A produtora Barbara Broccoli e os actores Daniel Craig e Léa Seydoux – que aparecem ambos na cena da explosão – receberam o prémio em nome do detentor oficial deste prémio, o já vencedor de um Óscar®, Chris Corbould, que foi o supervisor de efeitos especiais de 007 SPECTRE.

Esta explosão incrível foi filmada no dia 29 de Junho de 2015 em Erfoud, Marrocos, para uma das cenas essenciais do filme. Foram utilizados 8410 litros de combustível e 33kg de explosivos.

Os produtores de 007 SPECTRE, Michael G. Wilson e Barbara Broccoli comentaram este prémio dizendo “é absolutamente espantoso que o Guinness World Records™ tenha reconhecido o trabalho incrível de Chris Corbould em 007 SPECTRE, no qual ele criou a maior explosão de sempre na história do cinema.”

O editor chefe do Guinness World Records, Craig Glenday disse: “Os filmes de James Bond são sinónimo de ir para além das fronteiras cinematográficas. O mais recente filme, 007 SPECTRE, mais uma vez capturou o imaginário das audiências globais e para isto terão certamente contribuído fantásticos efeitos como este. A cena que conta com a maior explosão alguma vez registada num filme é espectacular e irá ficar na memória de todos como um dos momentos mais marcantes do franchise de James Bond.” Este record já só irá entrar na edição de 2017 do livro do Guinness World Records™, visto que a edição de 2016 já está à venda.

Poderá descobrir mais sobre esta cena aqui:


Sinopse:

Uma mensagem enigmática do passado, leva James Bond numa missão independente à Cidade do México, passando por Roma, onde conhece Lucia Sciarra (Monica Bellucci), a bela e proibida viúva de um criminoso infame. Bond infiltra-se numa reunião secreta e descobre a existência de uma sinistra organização conhecida como SPECTRE.

Entretanto, em Londres, Max Denbigh (Andrew Scott), o novo chefe do Centro para a Segurança Nacional, questiona as acções de Bond e a relevância do MI6, liderado por M (Ralph Fiennes). Bond pede secretamente a Moneypenny (Naomie Harris) e a Q (Ben Whishaw) para o ajudarem a procurar Madeleine Swann (Léa Seydoux), filha do seu velho inimigo Mr. White (Jesper Christensen), que pode ser a pista para desmantelar a teia de SPECTRE. Como filha de um assassino, Swann entende Bond de uma forma que mais ninguém consegue.

Quando Bond se aventura até ao coração da SPECTRE, descobre uma terrível ligação entre ele próprio e o inimigo que procura, interpretado por Christoph Waltz.

O concept Audi RS 7 estabelece recorde em circuito espanhol


O concept Audi RS 7 piloted driving acaba de estabelecer um novo recorde. No circuito espanhol de Parcmotor, perto de Barcelona, a Audi voltou a evidenciar o desempenho pioneiro na condução pilotada. Agora foi a vez de um grupo de jornalistas internacionais ter a oportunidade de experimentar a mais recente geração deste protótipo desportivo em condições de corrida.
Na sua segunda aparição em pista este ano em Sonoma, na Califórnia, o concept Audi RS 7 piloted driving surgiu com um peso ainda mais reduzido de modo a permitir um desempenho ainda maior. "Sob condições desafiantes em vários circuitos internacionais, estamos a adquirir uma experiência importante na regulação das funções pilotadas de modo a aumentar os limites do desempenho. Claro que isso beneficia o desenvolvimento dos nossos sistemas de assistência à condução dos modelos de grande produção, tais como prevenção de colisões como, por exemplo o Assistente anti-colisão no novo Audi A4 e Q7 ", destaca Thomas Müller, responsável pelo desenvolvimento de sistemas de travagem, direcção e de assistência ao condutor na Audi. "Cada circuito é diferente e apresenta novos desafios para nós. Usamos o conhecimento que adquirimos para melhorar a robustez e o desempenho do nosso veículo de teste. Tal resultou em excelentes tempos de volta com o mais rápido a situar-se em 2m 07,67s no traçado de 4,2 km do circuito".
Há já algum tempo, a Audi tem vindo a testar a condução pilotada sob condições cada vez mais desafiadoras. Em Outubro de 2014, uma RS 7 baptizado de "Bobby" já completou uma volta ao circuito de Hockenheim em velocidades até 240 km/h. A actual geração do deste concept recebeu a denominação de "Robby" e está equipado por um motor 4.0 V8 TFSI biturbo com 560 Cv (412 kW) de potência. O “Robby” é cerca de 400 kg mais leve do que o modelo anterior. Em Julho de 2015, o “Robby” já deixou emocionado o público americano quando rodou em Sonoma, na Califórnia, sem um piloto activo, estabelecendo tempos por volta mais rápidos que os assegurados por um convencional carro de competição com o seu piloto.

Quer na travagem, direcção ou aceleração, o RS7 pilotado controla todas as funções de condução. É totalmente automatizado com uma elevada precisão. A Audi também está a testar a condução pilotada em estradas com tráfego rodoviário em condições reais. No início de 2015, o “Jack” - um concept Audi A7 piloted driving car – percorreu de forma autónoma cerca de 900 km entre Silicon Valley até Las Vegas com os jornalistas a bordo. Pouco tempo depois, este piloted driving concept car rodou de forma autónoma a velocidades até 130 km/h em autoestradas alemãs. Por sua vez, na feira CES Ásia, em Maio de 2015, jornalistas tiveram a oportunidade de experimentar este protótipo no denso e congestionado tráfego da mega metrópole de Xangai. E em Outubro de 2015, a Audi deu a conhecer manobras automáticas evasivas de emergência com um veículo de testes que “encontrou” obstáculos móveis numa situação de tráfego urbano.
O trabalho de desenvolvimento, que inclui a condução num leque muito variado de áreas de testes, está a resultar num conhecimento valioso para os sistemas dos carros de produção em série, a partir da tecnologia de sensores e processamento de dados para o controlo do veículo e a sua estabilidade. As tecnologias da Audi para a condução pilotada baseiam-se segundo os princípios de segurança, economia de tempo e de eficiência. Os sistemas podem dar um valioso contributo para a segurança, especialmente quando o condutor está única e exclusivamente concentrado na sua tarefa de condução.
Quando é usada temporariamente para assumir as tarefas de condução, a tecnologia preditiva torna a condução mais eficiente, reduz o stress e aumenta o conforto. Além disso, possibilita ao condutor uma maior liberdade de tempo para se dedicar exclusivamente a outras tarefas no seu veículo. A condução pilotada fará a sua estreia num modelo de grande produção, já na próxima geração do topo de gama da Audi, o A8. Os sistemas podem assumir tarefas de condução durante as manobras de estacionamento ou em autoestradas com trânsito através do sistema stop-and-go, a velocidades até 60 km/h.

Castelo de S. Jorge - Agenda Janeiro 2016


Agenda do programa "Domingos em Família" no Castelo de S. Jorge. 

3 de Janeiro -  Jogos em Família
Os Arautos da Brincadeira, D. Berengário e D. Segismundo, só descansam quando todos participarem nas brincadeiras e jogos de outros tempos que prepararam: o quebra-bilhas, a vara-cega, a torre do tesouro, entre outras brincadeiras e surpresas.

10 de Janeiro - SÉC. XII – Lisboa Fora do Condado
No tempo do Conde D. Henrique a grande maioria do que é Portugal hoje em dia, estava fora do Condado Portucalense, sob o domínio Mouro. As vilas costeiras eram alvo de apetecíveis ataques dos Vikings nos seus drakkars. Uma dessas incursões, bem documentadas, que destruiu Sintra em 1109, atingiu Lisboa tendo sido pilhada a cidade, mas não tendo sido penetrada a alcáçova. Com este saque como pano de fundo serão apresentadas as armas e formas de combater do início do séc. XII por combatentes que não estão normalmente habituados a ver representados no Castelo: vikings e mouros. Para além das formas de combate corpo a corpo, o enfoque nesta sessão será o tiro com arco (neurobalística) e as armas de cerco (barobalística). Na parte livre, e de forma diferente das edições anteriores, os participantes terão oportunidade de contactar directamente com os vários tipos de armas reais sejam escudos, machados e espadas, arcos e um trabuquete de tracção (petraria).

17 de Janeiro - SÉC. XV – Tempo de Mulheres – Mulheres do seu Tempo.
Por vezes olvidadas da ribalta da História, muitas foram, porém, as mulheres que, com o seu saber, a sua cultura e o seu requinte, moldaram de forma indelével os tempos em que viveram. Tantos nomes, tantas mulheres. E contudo, quantas viram os seus méritos reconhecidos e a sua lembrança perpetuada? 
No princípio era o desejo. Desejo de ir mais além, desejo de romper fronteiras, desejo de afirmar a nação no contexto do seu tempo, desejo enfim de Expansão.
Isabel de Avis (1397-1471), filha de D. João I e de Filipa de Lencastre, membro dessa geração a que chamaram de Ínclita, casada com Filipe o Bom, duque de Borgonha, torna-se a mulher mais poderosa do seu tempo. Mulher forte da política europeia, foi ainda uma protectora das artes, retratada por Van Eyck e referida como La Portugaloise, numa peça musical que lhe foi dedicada, pelo compositor Guillaume Duffay. 
A Associação Danças com História homenageia, neste espectáculo, uma mulher portuguesa que ousou desejar e que ousou ser. Uma flor que foi o símbolo de uma nova geração de gentes, num reino novo.
As Danças – Tratados da época; Basses Danses de la Cour de Bourgogne; Manuscritos de Margarida de Áustria.

24 de Janeiro - Visitas em Família
Visita de exploração do castelejo e do sítio arqueológico, de descoberta dos espaços, dos personagens e das histórias, que visa estimular e aprofundar a sensibilidade e o respeito pelo património histórico enquanto valor cultural, através do conhecimento e compreensão dos vestígios do passado.

Honda - Novo protótipo City Adventure


A Honda apresentou a sua gama de motos para 2016 no Salão EICMA em Milão, seis modelos de média cilindrada, com uma série de actualizações e o regresso ao mundo do motociclismo de um dos nomes mais sonantes e ilustres, na forma da CRF1000L Africa Twin. Com um olho no futuro, a Honda também vai apresentar o seu novo protótipo City Adventure, um modelo que oferece uma interpretação nova e única da ideia de aventura em duas rodas.

Todos os modelos da gama 500, vocacionados para detentores da carta A2, - a naked CB500F, a desportiva CBR500R e a crossover CB500X – têm as suas características complementadas por uma série de actualizações centradas no condutor, o que aumenta ainda mais a atracção e a experiência de condução destes modelos. As actualizações incluem farol e farolim traseiro de LEDs, suspensão dianteira com afinação da pré-carga, manete de travão com regulação, depósito de combustível de maiores dimensões com novo tampão de pivot em dobradiça e chave da ignição do tipo ondulada.
Adicionalmente, a naked CB500F recebe uma renovação visual mais marcada graças ao novo look mais "despido e musculado", complementado por uma gama de 6 opções de cor fantásticas; a desportiva CBR500R recebe um estilo CBR completamente novo, com linhas mais marcadas e angulares, a todo o comprimento da moto. Tanto o modelo F, como o R apresentam um novo escape de menores dimensões e estrutura interna preparada para obter uma sonoridade grave e penetrante, mas agradável e satisfatória. As actualizações à CB500X incluem um pára-brisas 100 mm mais alto, com regulação da altura, e novos gráficos e cores; o depósito de maior capacidade permite autonomias superiores a 500 km.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Mais potente e eficiente do que nunca o novo Audi R18


A marca dos quatro anéis começa agora a temporada da competição automóvel 2016 com a apresentação do carro mais potente e eficiente jamais construído pela Audi. O novo Audi R18 teve a sua estreia mundial durante a cerimónia Audi Sport Finale realizada no Audi Training Center Munich.
No DTM, a Audi optou pela continuidade dos oito pilotos do ano passado, enquanto nos GT o novo Audi R8 LMS concluiu a sua época de estreia com inúmeros êxitos. Por sua vez, para temporada de 2016 do Audi Sport TT Cup são 125 os candidatos ao volante de um dos 20 carros disponíveis.
A Audi Sport apresenta o Audi R18 para a temporada de 2016 com inúmeras alterações estéticas. O carro que participa nas 24 Horas de Le Mans e nas restantes provas do Campeonato do Mundo de Resistência (WEC) na categoria LMP1 apresenta uma inovadora aerodinâmica, que representa a próxima fase em design de construção leve, e tem um sistema híbrido modificado com baterias de iões de lítio para armazenamento de energia, além de uma eficiência optimizada para o motor TDI.
"Com o nosso novo Audi R18, estamos a transmitir uma clara indicação: a Audi continua extremamente empenhada na competição automóvel, contando para tal com o desempenho do motor TDI, a mais eficiente e bem sucedida tecnologia do mundo, nomeadamente em Le Mans", destaca o Diretor da Audi Motorsport, Dr. Wolfgang Ullrich.
No Campeonato Mundial de 2016 do WEC, com a jornada de abertura agendada para Silverstone em 17 de Abril, a Audi Sport Team Joest irá estar já presente com dois novos Audi R18. Numa decisão conjunta com a Porsche – a marca “irmã” do Grupo também presente no WEC – e para uma contenção de custos e maior eficiência, ambas concordaram em participar na prova-rainha (24 Horas de Le Mans), com apenas dois carros de cada uma das marcas, em vez de três carros como aconteceu nas anteriores edições.


No DTM, a Audi aposta na continuidade. Os oito pilotos presentes em 2015, que conquistaram 10 vitórias nas 18 corridas realizadas, permanecerão ao volante do Audi RS 5 DTM. A única alteração: Adrien Tambay e Nico Müller trocaram de equipas, esperando a Audi Sport que esta mudança dê maior confiança aos dois pilotos mais jovens da marca. Os oito Audi RS 5 DTM continuarão a ser inscritos pelas três equipas Audi Sport Teams que desde há muitos anos colaboram directamente com a marca: Abt Sportsline, Phoenix e Rosberg.
Nos campeonatos da categoria GT, o desenvolvimento do novo Audi R8 LMS já foi concluída, começando agora a entrega às equipas-clientes. Devido à elevada procura por parte dos clientes, a Audi Sport está a explorar a possibilidade de expandir a produção prevista para a temporada de 2016. De início estava planeada a construção de 45 unidades.
As equipas- clientes da Audi irão estar presentes com o novo Audi R8 LMS em quatro continentes na temporada de 2016. No Audi R8 LMS Cup asiático, o novo modelo fará a sua estreia em 2016. Destaques especiais no calendário de corridas com equipas-clientes da Audi Sport são as duas corridas de 24 Horas - Nürburgring e Spa- como ainda as 12 Horas de Bathurst, na Austrália, e a Taça do Mundo FIA GT em Macau.


Por sua vez, na sequência da sua bem sucedida temporada inaugural da Audi Sport TT Cup será novamente realizada como parte do programa de apoio em algumas jornadas seleccionadas do DTM. O número de participantes permanentes vai aumentar de 18 para 20 pilotos. A selecção final dos jovens foi feita após um curso de avaliação em Vallelunga (Itália) nos dias 4 e 5 de Dezembro. No total, a quattro GmbH recebeu 125 candidaturas oriundas de 35 países.
"Estamos orgulhosos de representar novamente a marca Audi em 2016 num plano de evidência e com um extenso compromisso em diferentes disciplinas da competição automóvel", salienta o Dr. Wolfgang Ullrich. "O novo Audi R18 representa um passo importante e esperamos bons resultados em Le Mans e no WEC. No DTM, já tínhamos o carro mais forte em 2015. Mas queremos chegar ainda mais acima. Além disso, a elevada procura pelo novo Audi R8 LMS é igualmente gratificante, assim como os muitos jovens talentos que estão interessados na Audi Sport TT Cup."