quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Música ibérica, Mozart e a influência napolitana no encerramento das "Noites de Queluz 2018


A edição 2018 do ciclo “Noites de Queluz” despede-se no próximo fim de semana com duas orquestras de eleição no panorama nacional: a Orquestra Barroca Casa da Música e a Orquestra Barroca Divino Sospiro.

No sábado, dia 3 de Novembro, pelas 21h30, a Orquestra Barroca Casa da Música regressa ao Palácio de Queluz, desta vez com o cravista, pianofortista e maestro alemão Andreas Staier. “Portugal no mapa do barroco e um ‘hit’ de Boccherini” é um programa que tem por centro de gravidade o Portugal da primeira metade do século XVIII e, em segundo plano, a música ibérica da época. O repertório que irá ser apresentado na Sala do Trono inclui os dois concertos para tecla de Carlos Seixas (1704-42), que figuram entre os primeiros do género na música ocidental e que estes intérpretes gravaram há pouco tempo. Scarlatti, Avison, Corbett e Boccherini fecham o cartaz desta noite.

Na noite seguinte (4 de Novembro, às 21h30), a Orquestra Divino Sospiro regressa à Sala do Trono do Palácio de Queluz, agora para encerrar as Noites de Queluz e a 4.ª Temporada de Música da Parques de Sintra. O programa é dedicado a Mozart e à influência que sobre ele exerceu a música napolitana do tempo. Este concerto, que terá a direção de Massimo Mazzeo, conta com a presença do soprano italiano Raffaella Milanesi, intérprete especializada no repertório lírico dos séculos XVII e XVIII. O programa “Mozart e o estilo napolitano” inclui ainda duas obras do napolitano Domenico Cimarosa (1749-1801) e uma ária do português Pedro António Avondano (1714-1782), também ele influenciado pela escola napolitana.

O ciclo Noites de Queluz é uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra e do Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal (CEMSP), tendo por diretor artístico o maestro Massimo Mazzeo.

Pedro Calapez apresenta obras inéditas na Casa-Museu Medeiros e Almeida


A Casa-Museu Medeiros e Almeida recebe, a partir de 6 de Novembro, a exposição “Olhos nos Olhos: um poema elementar”, de Pedro Calapez. Neste trabalho que estará patente até 21 de Dezembro, o artista apresenta 30 peças inéditas explorando diversos suportes, como pinturas, esculturas e obras sobre papel, dispersas pelos diversos espaços da Casa-Museu.

Este confronto entre as obras de Pedro Calapez, pensadas para as várias salas da Casa-Museu Medeiros e Almeida, e os objetos e o mobiliário que habitam este espaço convidam a uma nova forma de visitá-lo e a um novo olhar. Um olhar que remete o artista para a pintura de Matthias Grünewald (1470-1528), expressiva e teatral, com uma extensa paleta de cores. As telas de Grünewald não atingem diretamente o espetador, mas colocam-no como um elemento da imagem, gerando outros olhares, “olhos nos olhos”.

Pedro Calapez recorda ainda o livro “Do Natural, um poema elementar”, do escritor alemão W. G. Sebald, que aborda a vida e a obra de Grünewald. Todos os títulos das peças em exposição são retirados de excertos deste livro, prática habitual do artista, e que têm que ver com a natureza e com a forma como nos relacionamos com o mundo. Assim, encontramos títulos como “germinar, perdurar, propagar-se”, “o grito, o gemido e o gorgolejo” e “a dor passou para os quadros”.

“Esta casa foi habitada, mãos afagaram mesas e cadeiras, corpos se tocaram, livros foram abertos. A constatação dum espaço vivido, transformado posteriormente em espaço de exposição, levou-me a criar uma série de obras, num discurso autónomo. A sua colocação neste espaço confronta os possíveis percursos e as salas onde se encontram. O deambular do visitante vacila entre a impertinência dos objetos intrusos e a estabilidade dos consagrados. Num processo de comunhão interferente com a estabilidade da demonstração museológica manifesta-se assim um diálogo dependente intimamente do nosso olhar”, sublinha Pedro Calapez.

Pedro Calapez (Lisboa, 1953) começou a participar em exposições nos anos 70, tendo realizado a sua primeira individual em 1982. O seu trabalho tem sido mostrado em diversas galerias e museus tanto em Portugal como no estrangeiro sendo de salientar as exposições individuais ou coletivas em que participou.

Festival Internacional de Balonismo em Coruche


A pacata vila de Coruche recebe, uma vez mais, o Festival Internacional de Balonismo, entre 31 de Outubro e 4 de Novembro. Um programa perfeito para toda a família a uma curta viagem de Lisboa, seja para apreciar o impressionante espetáculo visual de 30 balões a voar ao mesmo tempo, seja por todas as atividades previstas de gastronomia e entretenimento para todas as idades.

Entre as três dezenas de balões já confirmados, pilotados por equipas de todo o mundo, incluem-se exemplares bem originais de formato especial como a incrível mota Holandesa com 44 metros de comprimentos, 38 metros de altura e 650Kg de peso, o homem mergulhador do Brasil, o Gelado da Alemanha, um cão ou uma boneca. Prepare a sua máquina fotográfica, porque este é um cenário simplesmente único.

Durante 5 dias, os visitantes poderão realizar voo livres de manhã e, durante sexta, sábado e domingo, também da parte da tarde. Os bilhetes deverão ser adquiridos através do gift card Pack Portugal, disponível no website da Windpassenger ou nas lojas FNAC Portugal. O festival oferece ainda a oportunidade de experimentar, gratuitamente, uma subida em balão estático. E se tem vertigens, fique apenas pela selfie zone, no interior da Praça de Touros onde poderá tirar as suas fotografias e partilhar com amigos dentro de um balão insuflado.

Em redor da Praça de Touros, o festival diversifica-se num sem fim de ações como as Jornadas de Gastronomia, espaços de Street Food, a Feira de Artesanato e Produtos Regionais, a Feira do Livro, exposições de várias marcas, atividades e animação infantil gratuitas.

Ainda integrado no festival, a organização recomenda dois workshops de Aeromodelismo, com aviões telecomandados, e de Aeronáutica. Sábado, dia 3, destaca-se a Caminhada do Balonismo, ao início da tarde e, à noite, o Night Glow na Praia do Rio Sorraia, um espetáculo de luz e música com os balões insuflados perfilados no solo, animado por DJ Paulino Coelho da Rádio Renascença.

Comédia encenada por José Carlos Garcia encerra ORIENTE-SE


A segunda edição do ORIENTE-SE – Festival de Teatro Amador termina no dia 3 de Novembro. O último grupo a pisar o palco deste Festival é a Ajidanha, com a peça “OPUS”, encenada por José Carlos Garcia, co-fundador e co-diretor artístico da Companhia do Chapitô.

As gargalhadas e os aplausos têm sido uma constante nas apresentações desta peça, centrada na figura de um Criador que, encontrando-se aborrecido num determinado momento da Sua eternidade, dá início à criação de todo o Universo. O espectáculo da Ajidanha, de Idanha-a-Nova, estará em cena no sábado, 3 de Novembro, às 21h30, no Auditório Fernando Pessa, em Lisboa, sendo esta a apresentação que encerra a segunda edição do ORIENTE-SE.

O ORIENTE-SE prolonga-se até 3 de Novembro, acolhendo cinco grupos oriundos de várias zonas do País. O anfitrião deste Festival é o Teatro Contra-Senso, grupo de teatro amador, sediado em Marvila. O actor Marcantonio del Carlo é o Padrinho da segunda edição do ORIENTE-SE.

OPUS - Sinopse

Aborrecido, num determinado momento da Minha eternidade, comecei a criação de todo o universo. A Minha obra era uma sublime representação do espaço, com o domínio marcado dos conceitos básicos da natureza. Com um traço delicado e inteligente, explora a efemeridade da vida. Mas, como em todas as obras, há sempre um elemento imperfeito. Tudo o que sucedeu foi por minha culpa ou por vossa néscia culpa? Esta peça fala Dele, das suas dúvidas e angústias, na companhia de quem fez Dele, quem Ele é. “OPUS” (em latim, “obra”) é um espectáculo caracterizado pelo humor que promete surpreender.

Sobre a Ajidanha – Associação de Juventude de Idanha-a-Nova

A Ajidanha - Associação de Juventude de Idanha-a-Nova, fundada em 1998, dinamiza diversas actividades culturais e workshops, no âmbito do teatro, da dança e  das artes plásticas. A associação possibilita a participação alargada da população nas manifestações culturais e promove uma abertura entre várias gerações, cujos benefícios são muitos, para os mais e menos jovens. A face da Ajidanha tem sido o grupo de teatro, com cerca de duas dezenas de produções realizadas e apresentadas em vários festivais em Portugal, Espanha e Brasil.

Noites de música ao vivo no Casino Lisboa com os Miss Manouche


Os Miss Manouche apresentam-se até Sábado, 3 de Novembro no Arena Lounge do Casino Lisboa. O ritmo swing dos anos 20/30, a paixão fogosa do jazz e da incontornável figura de Django Reinhardt são o cartão-de-visita deste quarteto. 

Os êxitos vocais radiofónicos desta época constituem o repertório de Miss Manouche, repleto de ritmos quentes e dançáveis aos quais será impossível o público ficar indiferente. 

Os Miss Manouche integram, em palco, Luís Bastos (clarinete/voz), João San Payo (baixo/voz), Ian Mucznik (voz/guitarra) e Alcides Miranda (guitarra).

Ciclo de música ao vivo com Miss Manouche

Quarta-Feira, dia 31 de Outubro: 21h00 às 22h00
Quinta-Feira, dia 1 de Novembro: 20h30 às 21h20 e das 23h30 às 00h20
Sexta-Feira, dia 2 de Novembro: 20h30 às 21h20 e das 23h40 às 00h30
Sábado, dia 3 de Novembro: 20h30 às 21h20 e das 23h40 às 00h30

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Fado no Casino Estoril com Carlota e Gonçalo Castelbranco


O Lounge D do Casino Estoril acolhe amanhã a partir das 22 horas, mais uma noite de fado que terá, desta vez, como protagonistas Carlota e Gonçalo Castelbranco. Com estilos bem distintos, os fadistas serão acompanhados por Diogo Lucena Quadros na guitarra, Luís Roquette na viola e Francisco Gaspar na viola baixo. A entrada é livre.

Carlota 
Carlota Faria Blanc assistiu, desde muito jovem, a grandes noites que se prolongavam até madrugada em casa da Avó Gena, irmã de Frei Hermano da Câmara onde para além do próprio, tinha o privilégio de ouvir em ambiente familiar e intimista fadistas como, por exemplo, Salvador Taborda, Teresa Tarouca ou Maria João Quadros.

A vertente de intérprete nasceu, mais recentemente, quando numa das noites de fado que costuma frequentar perdeu a vergonha e experimentou cantar. Carlota sente-se realizada a cantar e tenta evoluir o mais que pode, tendo em conta as referências que ouvia em casa da sua Avó.

Gonçalo Castelbranco
Gonçalo Castelbranco é considerado uma das referências da nova geração. Aos 27 anos, participou já em vários espectáculos musicais, tanto em Portugal como no estrangeiro, tendo sido aplaudido pelo seu protagonismo no musical “O Nazareno”. 

As raízes fadistas estão presentes na sua voz, muito por influência das suas ligações familiares a Frei Hermano da Câmara. Nos últimos anos, marcou presença assídua no “Arredar Bar”, histórica casa de fados, em Cascais, que foi recuperada para as grandes noites fadistas da região, e onde Gonçalo Castelbranco foi o artista residente.

Ciclo de "Tertúlias Poéticas" no Casino Lisboa homenageia Cabo Verde


O Casino Lisboa prossegue hoje às 21h30, o ciclo de “Tertúlias Poéticas do Casino”. Agendada para o restaurante Beltejo, no 3º piso, esta iniciativa de índole cultural presta homenagem aos poetas dos países de língua portuguesa. A entrada é livre.

O ciclo “Tertúlias Poéticas do Casino” resulta de uma parceria do Casino Lisboa com a Associação de Moradores e Empresários do Parque da Nações - AMCPN, a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa – UCCLA e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP. A segunda edição deste ciclo de âmbito cultural é dedicada a Cabo Verde, prestando homenagem aos poetas Ovídio Martins, Yolanda Morazzo e Gabriel Mariano.

A 2ª sessão do ciclo de “Tertúlias Poéticas do Casino” apresenta o seguinte programa:  
- Apresentação: José Luis H. Almada, Carlota de Barroa, Paula Martins de Carvalho
- Músicos: Ricardo Fonseca, Hélder Charneira, João Sabbo
- Pintura ao vivo: Mestre Carlos Santos Marques
- Fotografia: José Boldt
- Poesia: Tertulianos da Margem Sol

Numa iniciativa muito oportuna, os oito países lusófonos da CPLP integram este projecto cultural, em estreita colaboração com cada Embaixada. Recorde-se que, este novo ciclo das “Tertúlias Poéticas do Casino” iniciou-se, no passado mês de Setembro, tendo homenageado a Guiné-Bissau.

As “Tertúlias Poéticas do Casino” homenageiam os poetas africanos, brasileiros, timorenses e portugueses num ciclo que só termina em Maio de 2019.

Ciclo de “Tertúlias Poéticas do Casino”
- 30 de Outubro: Cabo Verde
- 27 de Novembro: Angola
- 29 de Janeiro: Moçambique
- 26 de Fevereiro: Brasil
- 26 de Março: São Tomé e Princípe
- 30 de Abril: Timor-Leste
- 25 de Maio: Portugal

O ciclo de “Tertúlias Poéticas do Casino” é uma organização da AMCPN que se realiza no restaurante Beltejo do Casino Lisboa, até ao próximo mês de Maio de 2019. Visa criar um espaço de convívio na Freguesia do Parque das Nações, onde a cultura partilhada é o seu pilar central.

Carlos Coutinho Vilhena traz a Meta ao Casino Estoril


O bom humor está de volta ao Auditório do Casino Estoril que recebe, no próximo dia 10 de Novembro, a partir das 22 horas, "Meta". Com a sua habitual dose de irreverência, Carlos Coutinho Vilhena promete um espectáculo verdadeiramente hilariante.

Aplaudido, no passado mês de Junho, pelos visitantes do Casino Estoril, "Meta" estará, uma vez mais, em destaque no Auditório. Trata-se do segundo espectáculo a solo de Carlos Coutinho Vilhena que tem esgotado várias salas de espectáculos, em Lisboa e no Porto.

Todos nós temos uma meta na vida, a meta do Carlos é que o espectáculo compense o valor do bilhete. Mas, também, tem outras mini-metas, como vencer a discussão com a namorada, fazer com que o amigo se esqueça dos 7€ do jantar no Burguer King e chegar aos 30 sem ter de pedir dinheiro aos pais.

Noite de Gala no Casino Estoril com concerto de Chris de Burgh



Fundada em 1958, a Estoril Sol celebra o seu 60º aniversário com um programa festivo amanhã no Casino Estoril. Em noite de Gala, o Salão Preto e Prata acolhe às 21 horas, um desfile de Agatha Ruiz de la Prada, seguindo-se, pelas 21h30, um jantar dançante com a Orquestra Jorge Costa Pinto. A noite prossegue, a partir das 23 horas, com um concerto exclusivo de Chris de Burgh e estende-se, até de madrugada, com a actuação do dj Rodrigo d’Orey.

Com um posicionamento ímpar na área do turismo e no sector do jogo, a Estoril Sol distingue-se pelo seu inestimável contributo de apoio às artes, à cultura, ao espectáculo, às Letras, à solidariedade social, entre outras relevantes iniciativas que consolidaram, ao longo dos anos, uma relação profunda com a sociedade portuguesa. Fiel à sua matriz, a Estoril Sol concebeu, assim, um programa comemorativo de índole cultural, no qual pontificam um desfile de Agatha Ruiz de la Prada e um concerto de Chris de Burgh. 

Concerto de Chris de Burgh no Salão Preto e Prata
Em noite de Gala, Chris de Burgh protagoniza, a partir das 23 horas, um concerto exclusivo, privilegiando os grandes êxitos da sua carreira. O músico irlandês, de 70 anos, que lançou seu mais recente álbum, “A Better World”, em 2016, promete, assim, um espectáculo único na celebração dos 60 anos da Estoril Sol.

Após ter esgotado o Salão Preto e Prata, precisamente, a 7 de Junho de 1991, Chris de Burgh regressa ao Casino Estoril para conquistar, novamente, o público com os principais sucessos da sua carreira.

Com um registo intimista, Chris de Burgh recupera, habitualmente, nos seus concertos êxitos incontornáveis como, por exemplo, “The Lady In Red”, “Flying (Turning Round)”, “A Spaceman Came Travelling”, “So Beautiful”, “Don’t Pay The Ferryman”, “Love Is My Decision”, “Always on My Mind”, “Carry Me ( Like a Fire In Your Heart)”, “Here Is Your Paradise”, “Sailing Away”, “Missing You” ou “Borderline”. 



Nova estação, novos sabores no Astória


Entre as novidades de outono, o Astória apresenta um menu vegan – pensado para acompanhar o crescimento desta tendência mundial –, mas sem descurar os pratos mais tradicionais, como o Arroz de Marisco. Além disso, há opções confecionadas com ingredientes da época, como castanhas, cogumelos, sopa de bacalhau ou favas com chouriço – eleição entre clientes nacionais e internacionais.

As cores do outono chegaram à cidade Invicta e à mesa do Astória, restaurante do InterContinental Porto – Palácio das Cardosas. Nas entradas destacam-se a Sopa de bacalhau, ovo a baixa temperatura com rebentos e coentros; as Favas com chouriço de porco preto, gema de ovo e pato fumado caseiro; e o Tártaro de Salmão, alcaparras, funcho e vinagrete de citrinos.

Nos pratos principais viajamos entre as opções de assinatura, – como o Bacalhau curado e aromatizado com limão e coentros, puré de grão-de-bico e chalotas caramelizadas ou a Barriga de porco, texturas de batata-doce, crumble de morcela, puré de maçã e molho de vinho tinto – as opções clássicas, – como o Linguado de Mar com molho de manteiga, alcaparras e funcho – e as opções tradicionais, – como o requintado Arroz de Marisco, caldo e medalhão de lavagante, carabineiro e amêijoa do Algarve ou o Ensopado de borrego, batata nova assada e azeite de hortelã.

Do forno a carvão saem opções de carne e peixe, com um sabor e textura inesquecíveis, como o Bife da Vazia Angus, uma seleção premium, ou o Lombo de Salmão. E porque nada melhor do que agradar a todos os gostos, é possível escolher o ponto de cozedura e o molho mais apetecível, como vinho tinto, pimenta verde ou mostarda antiga.

Para acompanhar, o Astória preparou, para a nova estação, Arroz de grelos e feijão vermelho à moda do norte; “Gratin” de batata com queijo gruyère e parmesão; Gratinado de couve-flor com queijo azul; uma Seleção de vegetais da época salteados; e mais.

Nas sobremesas, destaca-se a tradicional Sericaia alentejana com calda morna de ameixa de Elvas; a Tarte de caramelo e sal marinho com ganache de chocolate amargo; e a Pavlova com suspiro, chantilly de baunilha e frutos do bosque.

Para os que preferem opções vegan, ou seja, que têm um estilo de vida focado no respeito pelos animais e que não ingerem qualquer alimento que contenha ingredientes derivados dos mesmos, o Astória sugere as seguintes opções: Jardim de verduras miniatura de Outono, Húmus e areia de azeitona e crocante de sésamo, como entrada; Cevadoto de abóbora manteiga assada, pinhões tostados e cogumelos da época, mel de alecrim e espinafres frescos, como prato principal; e Torta de laranja e cenoura com calda de anis, sorbet de maçã e nozes pecan caramelizadas, como sobremesa. Este movimento tem reunido cada vez mais adeptos em todo o mundo e veio para ficar: uma tendência que o Astória prevê acompanhar e manter em toda a sua oferta.

Além disto, o restaurante do Palácio das Cardosas disponibiliza um “Menu para Partilhar” (a partir de quatro pessoas), com três entradas, três pratos principais e três sobremesas – uma seleção da carta – e um “Tasting Menu”, para os que se recusam a deixar de lado alguns dos sabores da nova estação, tendo a possibilidade de degustar duas entradas, dois pratos principais e uma sobremesa, a um preço especial. O luxuoso Oscietra Caviar mantém-se nas opções, servido com torrada Melba, clara de ovo ralada e gema, alcaparras e chalotas.

Aproximam-se os dias frios do ano, o mote perfeito para provar (e aprovar) os novos sabores da Invicta, à mesa do Astória.

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Religião em tempos de crise internacional


Na quinta-feira, dia 8 de Novembro, pelas 19h00, o Goethe-Institut, em Lisboa, apresenta o segundo encontro do painel de discussão “Para Quê a Religião?”. O debate em torno do tema “Religião em tempos de crise internacional” conta com a participação do teólogo católico Karl-Josef Kuschel, co-autor da Declaração para uma Ética Mundial, do estudioso islâmico natural do Afeganistão e radicado na Alemanha, Ahmad Milad Karimi, e do rabino da comunidade judaica de Lisboa, Natan Peres.

A religião é frequentemente considerada uma das principais razões para os conflitos globais. Por outro lado, as religiões definem em grande medida um conjunto de valores em sociedades já secularizadas, oferecendo um ponto de partida central para a compreensão internacional. 

No início dos anos 90, o reconhecido teólogo Hans Küng deu início ao projeto que viria a converter-se na atual Fundação Weltethos (Ética Mundial), numa tentativa de criar um diálogo inter-religioso, descrevendo o que as várias religiões mundiais têm em comum. Em 1993, estas ideias deram origem à Declaração para uma Ética Mundial, que foi assinada no Parlamento das Religiões Mundiais por líderes religiosos e espirituais de todo o mundo.

Küng defendia que "uma época diferente de qualquer outra anterior através da política mundial, da tecnologia mundial, da economia mundial e da civilização mundial, requer uma ética mundial". O estabelecimento dessa ética mundial baseia-se em valores fundamentais comuns a quase todas as religiões que requerem ser trabalhados para garantir o futuro da humanidade.

Assistimos atualmente a um agravamento da crise económica, ecológica e política um pouco por todo o mundo. Que significado tem hoje, 25 anos depois, o diálogo entre as religiões, e o que o torna tão desafiador? Em que ponto estamos no entendimento internacional em relação a normas éticas como a solidariedade, a não-violência, o respeito mútuo, o fomento da comunhão do homem, da natureza e do cosmos, enunciados na Declaração para uma Ética Mundial?

Estas são algumas das questões em debate neste encontro que conta com moderação a cargo de Steffen Dix do CITER - Centro de Investigação em Teologia e Estudos de Religião, da Universidade Católica de Lisboa, e com o patrocínio da Associação São Bartolomeu dos Alemães em Lisboa e do Lisbon Marriott Hotel. O painel terá como habitualmente, tradução simultânea em português e alemão.

Festival Temps d'Images


Na primeira semana da 16.ª edição o Festival Temps d'Images, que começa já no próximo dia 1 de Novembro apresenta 2 espectáculos, 1 video-performance, 1 ensaio e dá início ao ciclo de cinema, com uma projecção de quatro curtas-metragens filmadas em película que fazem parte do arquivo da Escola Superior de Teatro e Cinema.

O Festival inicia na Appleton, nos dias 1 e 2 de Novembro, com "Boas garotas", uma performance de Clarissa Sacchelli que nasce a partir de uma selecção de vídeos do arquivo histórico da Videobrasil, de que a artista se apropriou e re-interpretou. No dia seguinte, projectam-se os vídeos que serviram de base ao trabalho da artista e que marcam a história da video-arte brasileira.

No Palácio Pancas Palha, Sara Vaz e Marco Balesteros apresentam no dia 3 de Novembro o "Ensaio para livro - Caracter #1 da imagem", uma investigação sob a forma de ensaio, que aborda a imagem como personagem que assume uma forma cénica e uma forma editorial.

O artista Jonathan Saldanha mostra pela primeira vez o seu trabalho em Lisboa e fá-lo com "SØMA", uma peça que se situa na intersecção do vídeo com a sonoplastia. Uma estreia absoluta, para ver nos dias 9 e 10 de Novembro na Culturgest.

Já no CAL - Centro de Artes de Lisboa, Miguel Bonneville apresenta nos dias 3 e 4 de Novembro "MB#6" (2008/2018), uma reposição de um espectáculo de 2008, onde algumas mulheres falam sobre as suas experiências por serem mulheres, adultas, artistas, no formato de vídeo-retratos e uma revisitação deste mesmo espetáculo dando origem a uma nova peça, 10 anos depois.

O Festival Temps d'Images apresenta programação até ao dia 2 de Dezembro de 2018. Ao todo são 24 eventos (com 9 estreias absolutas, 5 estreias em Lisboa e 2 estreias em Portugal), reunindo 37 artistas e colectivos, num total de 15 espaços de Lisboa.

Música entre Portugal e Espanha na Gulbenkian Música


No fim de semana de 24 e 25 de Novembro, a Gulbenkian Música acolhe o segundo ciclo temático da Temporada 18/19. Em colaboração com a Fundación Juan March e com curadoria de Miguel Ángel Marín, “Ibéria: Música entre Portugal e Espanha”, convida ao reconhecimento do imenso património histórico e cultural que une os dois países.

Duas conferências e quatro concertos atestam a proximidade e a cumplicidade da Península através das obras de compositores de origem ou de inspiração ibérica, bem como de peças que documentam e são consequência dos trajetos de músicos que construíram a sua carreira passando para o outro lado da fronteira.

No sábado, 24 de Novembro, às 16h00, o cravista francês Pierre Hantaï, reconhecido pelas suas interpretações das Variações Goldberg de J. S. Bach, apresenta obras de Antonio Cabézon, Pedro de Araújo, Juan Cabanilles, Carlos Seixas e Domenico Scarlatti, compositor pelo qual pelo desenvolveu um interesse particular. De seguida, às 18h00, Cibrán Sierra, Pedro Teixeira e Carlos Mena participam no painel “Música Ibérica: Recuperação e Apresentação” com moderação a cargo de Miguel Ángel Marían.

No mesmo dia, às 19h00, o Cuarteto Quiroga apresenta um recital que junta a mestria de Haydn à originalidade sonora dos autores ibéricos. Dois dos mais reputados quartetos de cordas espanhóis e europeus, reúnem-se em torno de um programa que inclui obras de Joseph Haydn, Almeida Mota e Jose Palomino.

No domingo, 25 de Novembro, a soprano Ana Quintans e o contratenor Carlos Mena recuperam as cantatas e duos de Jaime de la Té y Sagáu, um dos segredos mais bem guardados da música ibérica, e peças instrumentais de Pedro António Avondano, David Pérez, Carlos Seixas e Domenico Scarlatti em “Meandros Musicais do Tejo”. Às 18h00, uma Mesa Redonda une Fernando Miguel Jalôto e Cristina Fernandes em torno da “História da Relação Musical entre Portugal e Espanha”. Moderação a cargo de Rui Vieira Nery.

Para terminar, às 19h00, o criterioso programa preparado pelo maestro Pedro Teixeira para o Coro Gulbenkian reúne um relevante conjunto de obras de inspiração mariana, focando-se em compositores ibéricos que escolheram desenvolver a atividade artística fora do seu país. “Rosa Immaculata” apresenta obras de Francisco Garro, Francisco Guerrero, Estêvão Lopes-Morago, Estêvão de Brito, Duarte Lobo, Filipe de Magalhães, Manuel Cardoso e Diogo Dias Melgá.

A Melhor festa de Halloween é no Campo Pequeno


O melhor doce ou travessura do seu Halloween está no Campo Pequeno. Pode escolher a fantasia e preparar-se para a melhor festa de Halloween. Dia 31 de Outubro, no Campo Pequeno, o HallowBeat Fest’18 vai juntar no mesmo palco grandes nomes do panorama musical atual, numa noite que promete hip hop, kizomba, rap e muito mais.

Aqui há opções para todos os gostos. Desde o do rap dos Força Suprema, ou do hip hop dos Wet Bed Gang e dos vários estilos musicais em que se movem osRichFellaz, sem esquecer as batidas características dos Djs Caianda, ECS, Mizzy Milles e Omar Xike.

Muita música e boa vibe, com vários artistas e sonoridades distintas. Juntos para protagonizar uma verdadeira e única festa de Halloween! No HallowBeat Fest’18, o disfarce não é obrigatório mas a diversão está garantida!

Tool em Portugal na Altice Arena


Tool, a banda norte-americana de metal progressivo, acaba de confirmar um espetáculo em Portugal, dia 02 de Julho na Altice Arena. Os vencedores de três Grammy Awards, com mais de 20 milhões de discos vendidos em todo o mundo, prometem lançar um novo álbum brevemente, sucessor de “10,000 Days”, editado em 2006. Esta revelação foi feita através de uma publicação no Twitter, onde revelam que “levámos 11 anos a fazer a música, para as letras basta metade”.

Tool surgiram em 1993, com o primeiro álbum “Undertow”, emergindo um som heavy metal. Já em 1996 lançam o segundo LP “Enima” e atingem o topo do movimento do metal alternativo. “Lateralus” é editado em 2001, e em 2006 “10,000 Days”, o último trabalho editado, levou a banda à aclamação e a um sucesso a nível mundial.

A banda formada em 1990 em Los Angeles é constituída pelo vocalista  Maynard James Keenan, também membro dos grupos A Perfect Circle e Puscifer, o baterista Danny Carey, o baixista Justin Chancellor, e Adam Jones considerado um dos melhores guitarristas de todos os tempos pela revista Rolling Stone e Guitar World.



Tool são detentores de uma das mais deslumbrantes sonoridades do momento, com temas marcados por complexas alterações rítmicas  e em constante evolução, já foram comparados pela crítica a trabalhos de Led Zeppelin e dos Pink Floyd. Devido à incorporação de artes visuais e álbuns relativamente longos e complexos, a banda é geralmente descrita como um grupo com um estilo transcendente, parte do Rock progressivo e do Art Rock.

No concerto em Portugal os fãs da banda fundada por Maynard James Keenan e Adam Jones, terão a oportunidade de assistir ao vivo a um espectáculo cénico transcendente e intimista, cujo ambiente irá criar uma incrível experiência com os Tool.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Mercedes-Benz com nova agência global de Media


A Daimler AG contratou o Omnicom Media Group, um dos maiores grupos de agências do setor de media em todo o mundo, como a sua nova agência de comunicação. Os processos na área de comunicações de marketing estão agora a ser redefinidos no decorrer do processo de transformação digital do Grupo.

O estudo de mercado focou-se principalmente no processo de transformação digital na área de media. O objetivo é abordar os clientes e potenciais clientes da marca de forma ainda mais precisa e individual, através de marketing digital personalizado, assim como de otimizar as atividades de conteúdo e distribuição. O Omnicom Media Group será responsável, a partir de 1 de Janeiro de 2019, pela comunicação em mais de 40 mercados em todo o mundo e em todas as divisões Daimler (Mercedes-Benz Cars, Mercedes-Benz Vans, Daimler Trucks, Daimler Buses, Daimler Financial Services).

Na sua procura por um parceiro para o processo de transformação digital em marketing, a Mercedes-Benz optou em Fevereiro de 2018 por colaborar com a Publicis, em específico a agência "Publicis Emil", criada especificamente para esse fim. Juntamente com a adaptação local das campanhas globais e regionais da Mercedes-Benz em cerca de 40 mercados, o foco da cooperação está no aumento das sinergias para uma apresentação mais consistente da marca Mercedes-Benz nas plataformas digitais, acompanhada de uma maior harmonização e otimização contínua do conteúdo digital central e local em todos os canais.

Processo de seleção justo e transparente
A seleção da nova agência de comunicação foi feita com base num processo padronizado e uniforme envolvendo todas as regiões participantes. Para garantir um processo justo e transparente, a equipa interna de pesquisa da Daimler foi apoiada pela Accenture Media Management, que seguiram critérios de avaliação uniformes. Ao longo do processo de seleção, a Daimler também seguiu as diretrizes da Federação Mundial de Anunciantes (WFA) e da Associação Europeia de Agências de Comunicação (EACA).

Soldado Milhões - A série na RTP1


No momento em que se assinala o centenário da Primeira Guerra Mundial, a RTP1 irá emitir a minissérie Soldado Milhões, um trabalho de três episódios sobre o herói português da Primeira Guerra Mundial: Aníbal Augusto Milhais. Acompanhe a homenagem aos milhares de soldados portugueses que combateram na Flandres durante a Primeira Guerra Mundial, a partir de 3 de Novembro, nas noite de sábado na RTP1.

Em Soldado Milhões vamos conhecer a história do único soldado raso condecorado com a mais alta distinção militar portuguesa, a Ordem de Torre e Espada. Aníbal Augusto Milhais é um entre os 75 mil soldados enviados para a Flandres durante a Primeira Guerra Mundial. Na Batalha de La Lys, contrariando ordens superiores, enfrenta sozinho sucessivas ofensivas alemãs de maneira a garantir a retirada dos companheiros. Milhais demora vários dias até reencontrar o seu pelotão em Saint-Venant, protegido apenas pela sua arma – Luisinha – e um amuleto da sorte oferecido pela sua amada.

Soldado Milhões acompanha o percurso do soldado Milhais, que valia milhões, através das suas memórias da guerra.

João Arrais, Miguel Borges, Tiago Teotónio Pereira, Ivo Canelas, António Pedro Cerdeira, Raimundo Cosme, Isac Graça, Graciano Dias, Lúcia Moniz e Nuno Pardal são alguns dos nomes que compõem o elenco de Soldado Milhões, um trabalho dos realizadores Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa.

Do programa de sucesso da Antena 1, chega-nos O Amor É, de Júlio Machado Vaz e Inês Meneses


É a 2 de Novembro que chega o livro O Amor É, de Júlio Machado Vaz e Inês Meneses. Uma obra que resulta do programa da Antena 1 com o mesmo nome, um dos mais antigos da rádio portuguesa e que está há 15 anos no ar. Júlio Machado Vaz é um psiquiatra de grande prestígio, reconhecido por ter sido o primeiro especialista a abordar de forma clara e consistente temas ligados à sexualidade na comunicação social, em programas míticos, como O Sexo dos Anjos e Sexualidades. A comunicadora Inês Meneses é uma das radialistas de maior notoriedade no país e, além de ser voz da Radar, colabora com meios importantes, como a Antena 1, o Expresso ou a SIC Radical. A obra tem prefácio de Manuel Sobrinho Simões, reconhecido em 2015 como o mais influente patologista do mundo. 

Sobre Júlio Machado Vaz
Nasceu no Porto, em 1949. Médico psiquiatra, professor universitário e autor de quase vinte livros, colabora há várias décadas com a imprensa, a rádio e a televisão. De entre os livros que publicou, destaca-se Era uma Vez um Professor; na rádio, marcou gerações com O Sexo dos Anjos; e, na televisão, ninguém esquece Sexualidades. 

Sobre Inês Meneses
Nasceu em Lisboa, em 1971, mas cresceu em Mindelo. Estreou-se em rádio em Vila do Conde, esteve doze anos na TSF e está na Radar há treze. Colabora com a Antena 1 e com o Expresso. Assinou na imprensa a crónica O Sexo e a Cidália durante mais de dez anos. Publicou recentemente o livro Amores Impossíveis. 

«Da Lusitânia a Portugal: Dois mil anos de história» tem nova edição


«Da Lusitânia a Portugal: Dois mil anos de história» regressa às livrarias no dia 2 de novembro com nova edição, em capa dura. A obra que marcou o regresso de Diogo Freitas do Amaral à História de Portugal apresenta uma perspetiva pessoal, original e esclarecedora sobre a constituição da nacionalidade portuguesa e as etapas de construção do país. 
Dividido em 10 partes, representativas das 10 fases da evolução política portuguesa, o livro acompanha o desenvolvimento de Portugal: de condado a Nação e a país integrante da União Europeia, da OTAN e da ONU. 
Escrito num tom acessível e direto, filtrado pelo olhar singular e experiência incomparável de Diogo Freitas do Amaral, este é um livro essencial para quem quer conhecer o passado de Portugal e entender os porquês políticos e estratégicos das decisões que mudaram o nosso país. 

Sobre o Autor

Diogo Freitas do Amaral é uma figura nacional conhecida como professor de Direito, político e escritor. Nascido na Póvoa de Varzim, de família vimaranense, em 21 de julho de 1941, doutorou-se em 1967 e ascendeu a catedrático em 1984. Como fundador e primeiro presidente do CDS, foi um dos líderes dos quatro principais partidos políticos da Democracia portuguesa, em 1974 e nos anos seguintes. Foi conselheiro de Estado, vice-primeiro-ministro, primeiro-ministro interino, ministro dos Negócios Estrangeiros (2 vezes) e ministro da Defesa Nacional. No plano internacional, foi presidente da UEDC – União Europeia das Democracias Cristãs (1981-83) e presidente da Assembleia Geral da ONU (1995-96). De regresso a Portugal, foi cofundador e primeiro diretor da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. Além de numerosos livros e manuais de Direito, o autor publicou na Bertrand dois volumes de Memórias Políticas (1995 e 2008), um manual de introdução à Política (2014) e duas biografias históricas – D. Afonso Henriques (2001) e D. Afonso III (2015). Noutra editora, publicou uma História do Pensamento Político Ocidental (2011). Está em preparação o volume III das suas Memórias Políticas.

José Luís Peixoto apresenta obra em circuitos literários no Oriente


Já arrancou o périplo de José Luís Peixoto para divulgar a tradução das suas obras na Indonésia, em Singapura e no Japão, onde, até meados de Novembro, é convidado de honra em alguns dos mais importantes eventos literários no Oriente. Destaca-se a apresentação da tradução de Galveias em Tóquio, onde José Luís Peixoto participará numa conversa com a prestigiada escritora japonesa Kyoko Nakajima, sob o tema «Memórias de Terra, Memória de Família», na livraria Shinjiku Kinokunya. O escritor é também convidado da   Universidade Sophia e da Universidade de Estudos Estrangeiros, ambas em Tóquio.

Na Indonésia, José Luís Peixoto divide-se entre Ubud e Jacarta, onde será convidado do Ubud Writers & Readers Festival e do International Board On Books For Young People (IBBY). Em Singapura, o autor marca presença como convidado do Singapore Writers Festival.

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Campanha outono/inverno do InterContinental Hotels Group


O InterContinental Hotels Groups desenvolveu uma campanha de lazer para inspirar as pessoas a viajar durante o período de outono e inverno, sugerindo ideias sobre diferentes tipos de viagens que podem ser realizadas em toda a Europa. Durante esta altura, há destinos mais pitorescos, ideais para uma pausa de inverno festiva, relaxante ou rejuvenescedora, ou até para visitar mercados de Natal e envolver-se com novas experiências gourmet. E nada melhor do que o fazer com um desconto direto na reserva até 15%.

Nesta temporada, é possível criar memórias enquanto experimenta as escapadas elegantes que a Europa tem para oferecer. Com a campanha de outono/inverno pode descobrir verdadeiras joias escondidas num dos InterContinental® Hotels & Resorts ou Crowne Plaza™ Hotels & Resorts na Europa, em cidades tão emblemáticas como Amesterdão, Budapeste, Paris, Viena, Londres ou Hamburgo, desfrutando de uma verdadeira viagem de luxo. Os descontos são também, claro, aplicáveis aos hotéis do país, para uma escapadinha “cá dentro” em locais históricos como Porto (Crowne Plaza Porto e InterContinental Porto – Palácio das Cardosas), Lisboa (InterContinental Lisbon) ou Cascais (InterContinental Cascais-Estoril).

A campanha de outono/inverno  do IHG – InterContinental Hotels Group é válida nos hotéis do grupo em toda a Europa e requer reserva antecipada entre 3-21 dias, dependendo da unidade participante. Os hóspedes receberão um desconto de até 15% sobre a melhor tarifa flexível e os associados do IHG® Rewards Club receberão ainda recompensas nas tarifas qualificadas nos mesmos dias.

A campanha está em vigor para reservas até ao dia 28 de Fevereiro de 2019 para estadias até 30 de Abril do mesmo ano, e não pode ser usada em conjunto com qualquer outra oferta, desconto ou promoção.

Noite de gala no Casino Estoril com Chris de Burgh e Agatha Ruiz de la Prada


Fundada em 1958, a Estoril Sol celebra o seu 60º aniversário com um programa festivo, no próximo dia 31 de Outubro, no Casino Estoril. Em noite de Gala, o Salão Preto e Prata acolhe às 21 horas, um desfile de Agatha Ruiz de la Prada, seguindo-se, pelas 21h30, um jantar dançante com a Orquestra Jorge Costa Pinto. A noite prossegue, a partir das 23 horas, com um concerto exclusivo de Chris de Burgh e estende-se, até de madrugada, com a actuação do dj Rodrigo d’Orey.

Com um posicionamento ímpar na área do turismo e no sector do jogo, a Estoril Sol distingue-se pelo seu inestimável contributo de apoio às artes, à cultura, ao espectáculo, às Letras, à solidariedade social, entre outras relevantes iniciativas que consolidaram, ao longo dos anos, uma relação profunda com a sociedade portuguesa. Fiel à sua matriz, a Estoril Sol concebeu, assim, um programa comemorativo de índole cultural, no qual pontificam um desfile de Agatha Ruiz de la Prada e um concerto de Chris de Burgh. 

Concerto de Chris de Burgh no Salão Preto e Prata
Em noite de Gala, Chris de Burgh protagoniza, a partir das 23 horas, um concerto exclusivo, privilegiando os grandes êxitos da sua carreira. O músico irlandês, de 70 anos, que lançou seu mais recente álbum, “A Better World”, em 2016, promete, assim, um espectáculo único na celebração dos 60 anos da Estoril Sol.

Após ter esgotado o Salão Preto e Prata, precisamente, a 7 de Junho de 1991, Chris de Burgh regressa ao Casino Estoril para conquistar, novamente, o público com os principais sucessos da sua carreira.

Com um registo intimista, Chris de Burgh recupera, habitualmente, nos seus concertos êxitos incontornáveis como, por exemplo, “The Lady In Red”, “Flying (Turning Round)”, “A Spaceman Came Travelling”, “So Beautiful”, “Don’t Pay The Ferryman”, “Love Is My Decision”, “Always on My Mind”, “Carry Me ( Like a Fire In Your Heart)”, “Here Is Your Paradise”, “Sailing Away”, “Missing You” ou “Borderline”. 

Desfile de Agatha Ruiz de la Prada no Salão Preto e Prata
O glamoroso Casino Estoril - refúgio de monarcas exilados e personagens fabulosos de todas as variedades - celebra o 60º aniversário do grupo Estoril Sol e a Agatha Ruiz de la Prada, rainha dos corações multicoloridos, foi convidada para dar o seu toque único ao evento. 

Um lugar de sonhos onde objetos inanimados ganham vida e vivem as suas próprias fantasias douradas - é o local ideal para um desfile de moda agatista. Para esta ocasião, Agatha Ruiz de la Prada apresentará vestidos de noite de todas as cores e texturas. 

Os seus greatest hits passearão desinibidos pelos icônicos salões do Casino e o mais provável é que se sentirão tão perfeitamente à vontade que será muito difícil acabar com a festança e deitá-los... Não há nada que Agatha e a as suas criações apreciem mais que uma boa desculpa para celebrar. 

Dj Set Rodrigo d’Orey
Com um vasto currículo, Rodrigo D'Orey trabalha há mais de 15 como músico e DJ. Reconhecido pela sua enorme semsibilidade e experiência, Rodrigo consegue manter animadas as mais diferentes gerações em qualquer festa ou pista de dança. Para além de DJ, Rodrigo é também produtor musical.

Worst of no Teatro Nacional D. Maria II


Worst of, uma criação do Teatro Praga, estreia a 1 de Novembro na Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II, ficando em cena até 18 de Novembro.

Neste espetáculo, um “best of" de atores nacionais propõe-se passar os olhos pela história do teatro em Portugal, à sombra da opinião de que há um atraso crónico nesta arte, por comparação com as restantes.

Worst of tem interpretação de Cláudia Jardim, Diogo Bento, Márcia Breia, Patrícia da Silva, Pedro Penim, Rogério Samora, São José Correia e Vítor Silva Costa.




Galeria Beltrão Coelho recebe “Intuições em Diálogo”


A Galeria Beltrão Coelho inaugura hoje  a exposição “Intuições em Diálogo”, com obras de arte do escultor Jorge Moreira, do pintor José Augusto Coelho e da artista plástica Olga Alexandre.

Formado em escultura pelo Centro Internacional de Escultura e em Artesão do Brinquedo pelo Centro Cultural Roque Ga­meiro, Jorge Moreira conta com várias exposições coletivas e individuais e com várias participações em feiras de arte. Trabalhou, também, como aderecista no filme para crianças “Zás Trás” e em várias criações Décors de vitrinismo.

Entre as obras expostas estarão as esculturas “Harmonia”, “Beijo” e “A Caminho”. A inspiração para a sua arte vem da música dos anos 70, do Rock Progressivo e das capas dos LP.

José Augusto Coelho é um pintor criativo, que desenvolveu atividades de design, quer como projetista de arquetitetura e engenharia, quer como gráfico-publicitário. Iniciou o estudo das Artes no curso de pintura da Casa Pia de Lisboa, tendo sido discípulo do mestre-pintor Álvaro Perdigão, do professor e escultor Hélder Batista e de Raúl Xavier. Passou também pela Escola de Artes Decorativas António Arroio, em Lisboa.

Natural de Vale de Frades, Vimioso, a sua arte retrata as memórias que recolheu enquanto criança e adolescente na região de Trás-os­-Montes – paisagens feitas de gentes, de hábitos, de trabalho, de sons, de luz e de intensa cor. É o caso das obras “Foi Deus” e “Ideias Nuas”.


Já Olga Alexandre, natural de Sintra, irá apresentar as suas obras feitas de material reutilizado. A ligação à Serra de Sintra levou a que, desde cedo, tomasse consciência de que a natureza deve ser preservada.

Desde 1991 que trabalha com materiais recicláveis, enquadrados sempre numa mensagem ecológica. Tem feito vários workshops nas escolas do concelho e participado em várias exposições individuais e coletivas. A exposição é de entrada gratuita e estará patente até 7 de Dezembro.

Estreias de cinema de 25 de Outubro de 2018


Esta semana dentre as várias estreias de cinema nas salas nacionais o "Cultura e não Só" destaca as seguintes:



Golpe Final

Um ex-soldado norte-americano vai a Londres visitar a família de um camarada de armas que morreu em combate, algo que é possível que tenha acontecido por culpa sua. Por lá, decide levar a filha adolescente do colega a um jogo do West Ham United no estádio de Upton Park. Só que, por coincidência, um grupo de terroristas armadilhou o estádio com explosivos. Caberá ao soldado salvar o dia, tudo enquanto a partida decorre e sem que o resto das pessoas saiba o que se está a passar.
Realizado por Scott Mann, este filme inspirado em "Assalto ao Arranha-Céus", só que com um estádio em vez de um arranha-céus, é protagonizado por Dave Bautista, o ex-lutador profissional anteriormente conhecido como Batista que se tem feito notar como actor na saga "Guardiões da Galáxia" e no recente "Blade Runner 2049".



Goosebumps 2: Arrepios no Halloween

Wardenclyffe (EUA). Sonny e Sam são dois amigos que um dia são contratados para limpar a cave de uma mansão em ruínas. Ali, entre um sem-número de coisas invulgares, eles encontram um velho livro fechado a cadeado que, ao ser aberto, liberta um boneco de ventríloquo. No dia seguinte, durante a noite de Hallowen, os rapazes percebem que vários outros monstros foram libertados do livro e que andam a lançar o pânico por onde passam. Agora, sem saberem muito bem como, Sonny e Sam vão ter de arranjar um modo de os capturar e os enviar novamente para o lugar de onde nunca deveriam ter saído. 
Com realização de Ari Sandel (“Quando nos Conhecemos ”), uma comédia de terror direccionada para um público mais jovem, que continua a história de “Goosebumps”, realizado por Rob Letterman em 2015. O argumento, escrito por Rob Lieber, inspira-se na série juvenil “Arrepios”, da autoria do escritor Robert Lawrence Stine (conhecido por R. L. Stine).



Rei dos Ladrões

Em Abril de 2015, uma quadrilha assaltou os cofres de Hatton Garden, uma empresa de segurança que fornecia vários joalheiros de Londres. Nesse golpe, foram roubados cerca de 200 milhões de libras em dinheiro, diamantes e pedras preciosas. Dada a dimensão do assalto, as autoridades – e a comunicação social, que acompanhou o caso nos dias que se seguiram –, julgaram que se tratava de um grupo de criminosos altamente sofisticado. Para surpresa de todos, descobriu-se mais tarde que os verdadeiros autores, apesar dos antecedentes criminais, eram maioritariamente idosos.
Realizado por James Marsh ("Homem no Arame", "Dança das Sombras", "A Teoria de Tudo", "Com Paixão"), um filme baseado em factos reais, com um elenco de veteranos como Michael Caine, Tom Courtenay, Michael Gambon, Jim Broadbent, Paul Whitehouse ou Ray Winstone, aos quais que se junta Charlie Cox.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Moullinex apresenta House of Hypersex


Um ano depois da épica celebração de 24h que marcou a edição do álbum no MAAT, e de ter corrido palcos como Vodafone Mexefest, Rock in Rio, Casa da Música, NOS Primavera Sound, Razzmatazz Barcelona, Low Fest em Benidorm, Istambul, Londres, Cidade do México, Dubai e Nova Delhi… dia 31 de Outubro, o "Hypersex" de Moullinex regressa a Lisboa no seu formato 360º, desta vez, no mítico e imponente Capitólio. 

Moullinex volta a juntar músicos, performers, artistas visuais, activistas, profissionais do escapismo militante e party animals amadores debaixo do mesmo tecto, para uma celebração da Club Culture em todas as suas vertentes sociais, culturais e políticas. 

Uma noite (das 21h às 04h) de concerto de Moullinex com convidados especiais; DJ sets da australiana baseada em Londres HAAi e do seu colega de editora, Xinobi; concerto de MEERA, o mais novo projecto editado pela Discotexas; e uma competição de Ballroom de dimensões inéditas em Lisboa, em parceria com a já conhecida Grooveball!

Sim, House of Hypersex é uma sentida homenagem aos históricos Ballrooms novaiorquinos da década de 80, ponto de encontro, inclusão e expressão de comunidades, indivíduos e minorias ostracizadas. 

Mas será, também, e acima de tudo, uma festa, uma grande festa, que terá várias edições ao longo de 2018/19, para ocupar, em Lisboa, um espaço de culto e celebração de diversidade, escapismo, excentricidade e do incomum. Em suma, é uma carta de amor escrita a várias mãos e aberta a todos os que partilhem a mesma paixão pela pista de dança e club culture. 

Queremos mais uma vez juntar os que acreditam que a pista é maior que a soma das partes que a compõe, para criar uma festa que não terá o epicentro num concerto, DJ ou palco, mas antes privilegia uma hiperligação entre o público, performers e espaço.

House Of Hypersex é uma casa grande de mais para apenas “um” ou para “alguns”. Por isso, nesta primeira edição, lançamos um Open Call a performers, drags, estilistas, bailarinos, criadores, loucos e sonhadores que competirão e desfilarão, perante um rigoroso Júri, por um lugar cativo na House of Hypersex. As categorias da Ballroom e a mecânica de inscrições serão anunciadas brevemente nas redes sociais de Moullinex. 

O público não tem que entrar na competição para estar 100% Hypersex mas, quem caprichar no outfit, vai ser recompensado e, porque dia 31 também é Halloween, lançamos já o mood de dress code: “Freaks come out at night!” 

Porque as coisas melhores acontecem quando se ultrapassam fronteiras e muros, quando todos sabem que são parte integrante de algo, e não simples espectadores, quando abraçamos os desconhecidos e valorizamos a diferença e estranheza e quando, no fim da festa, trocamos papéis, palavras, simpatia, beijos, roupas e quase sempre o dia pela noite… Caso contrário, mais vale ficar em casa.

Carga nos cinemas a 8 de Novembro


Esta é a história de Viktoriya, uma jovem russa apanhada numa rede de tráfico ilegal, que apenas tem uma hipótese: lutar para sobreviver; e de António, um velho camionista que se cruza no caminho da jovem, despoletando um encontro que o leva a questionar todos os seus princípios.

Carga, a primeira longa metragem da produtora portuguesa Caracol Studios, é protagonizada pela atriz Michalina Olszanska, considerada uma das mais talentosas atrizes da sua geração na Polónia onde se tem destacado em projetos internacionais como a série “1983” da Netflix e no filme “Sobibor”, recentemente submetido pela Rússia ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. A seu lado conta com nomes conhecidos dos portugueses como Vítor Norte, Rita Blanco, Sara Sampaio, Ana Cristina Oliveira, Miguel Borges, Duarte Grilo, Dmitry Bogomolov, e ainda a participação especial de Rui Porto Nunes e Rui Luís Brás.


D.A.M.A conquistam Macau


Os D.A.M.A estrearam-se em Macau no Festival da Lusofonia (que decorreu de 9 a 18 de Outubro), com o primeiro de quatro concertos na Ásia, e conquistaram os mais de 25 mil participantes da 10ª edição do festival que se articula com a semana cultural da China e países lusófonos.
A banda foi um dos grandes destaques da participação portuguesa que se juntou a mais de 130 artistas, sob o lema "Uma Faixa, Uma Rota Cultural"
O evento tem por objetivo consolidar a amizade entre os povos da China e dos Países de Língua Portuguesa, entre os quais Portugal, Cabo Verde, Angola, Timor-Leste, Moçambique, Brasil, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e também a China.

"Os quatro concertos vão ter o mesmo arranjo e contamos contagiar o público com a nossa portugalidade, até porque só vamos cantar em português", afirmou Kasha à agência Lusa antes da primeira atuação.

Os D.A.M.A acabam de lançar um novo single, "Clarear", com a participação dos brasileiros Pollo. O single já chegou às rádios e às plataformas digitais e está no top 15 do You Tube Brasil.


Bruno Pernadas com concertos no Japão em Novembro


O compositor e guitarrista português Bruno Pernadas actua com a sua banda pela primeira vez no Japão no âmbito do FRUE 2018. Trata-se de um dos festivais ao ar livre de maior relevância do país onde vários músicos internacionais como Theo Parrish (EUA), Nels Cline’s Trio Hadarro (EUA) ou Yamandu Costa (Brasil) marcam igualmente presença, em géneros musicais que vão desde o jazz ao rock até ao techno.

O evento decorre no Sainosato Tsumagoi Resort, em Shizuoka, a 3 e 4 de Novembro. Além do referido festival onde Bruno Pernadas toca no dia de abertura, o seu ensemble de nove músicos tem confirmado um concerto na sala de Tóquio WWW, em Shibuya-ku, no dia 5 de Novembro.

O músico viaja até ao Japão para apresentar os discos How Can We Be Joyful in a World Full of Knowledge (2014) e Those Who Throw Objects at The Crocodiles Will be Asked to Retrieve Them (2016), ambos com distribuição comercial no país através pela Disk Union.

No passado mês de Setembro, a banda esteve em Madrid e Barcelona para concertos inseridos na programação do Portugal Alive e Bam Festival, respectivamente.

Formado em composição, com os cursos da Escola Superior de Música de Lisboa e da Escola de Jazz do Hot Club, Bruno Pernadas é professor de música na Escola do Hot Club e integra os grupos Real Combo Lisbonense, Worst Summer Ever, Minta & The Brook Trout e Suzie’s Velvet. É também responsável por várias bandas sonoras para Televisão, Teatro, Cinema e Dança.


Fernando Tordo & Ary dos Santos: As Histórias das Canções


Referência da música portuguesa, Fernando Tordo actua, de 1 a 4 de Novembro, às 21h30, no Auditório do Casino Estoril. Num curto ciclo de espectáculos, o artista sobe ao palco para apresentar “Fernando Tordo & Ary dos Santos: As Histórias das Canções”.

Depois de, no passado mês de Abril, ter comemorado os seus 70 anos de vida e 50 anos de canções com concertos únicos em Lisboa e Porto, Fernando Tordo apresenta-se, desta vez no Casino Estoril, prosseguindo a celebração de um ano especial para a sua carreira.

Ao longo de quatro noites consecutivas, o músico e compositor irá recordar as composições e as memórias que guarda dos anos em que criou canções com José Carlos Ary dos Santos, poeta com quem manteve uma intensa parceria ao longo de quase duas décadas.

Primeiro nasciam as músicas, compostas por Tordo, e era sobre estas que Ary dos Santos escrevia as letras. Desta colaboração brotou um vasto e intemporal repertório, do qual fazem parte temas como “Cavalo à Solta”, “Estrela da Tarde” ou a incontornável “Tourada”.

“Fernando Tordo & Ary dos Santos: As Histórias das Canções” é mais do que um concerto. Trata-se da narração de um encontro que marcou a música portuguesa. Cada canção preserva uma memória. E são as histórias desta união que Fernando Tordo promete contar, antes de nos fazer mergulhar nas luminosas composições. Quatro noites, quatro atuações imperdíveis que permitirão revisitar aqueles anos irrepetíveis da cultura portuguesa.

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Rubis Gás UP no céu do Algarve


O Rubis Gás UP, festival de balonismo organizado pela Windpassenger, realiza-se em Portimão, Albufeira, Faro, Lagos e Alvor entre 24 e 28 de Outubro. O evento propõe revelar uma nova perspetiva destas cidades algarvias vistas do céu e proporcionar experiências de voo inesquecíveis aos seus visitantes.

A edição de 2018 leva ao sul 20 balões de ar quente de todo o mundo, cinco deles com formato especial. Os bilhetes para os voos têm o custo individual de 189€ e deverão ser adquiridos junto da Windpassenger.

O programa prevê duas sessões do espetáculo de luz e música Night Glow com participação especial do DJ Paulino Coelho da Rádio Renascença, nos dias 26 e 27 em Faro e Lagos respetivamente. E ainda a possibilidade de subir e descer num balão estático, sem qualquer custo para quem quiser descobrir a sensação única de voar mais alto, disponível nos últimos três dias do festival.

A Rubis Gás criou, em 2017, a marca Rubis Gás Up para os eventos em que se apresenta como patrocinador principal apoiando esta modalidade de grande potencial a nível nacional e internacional. Para a empresa esta é uma presença natural enquanto distribuidores de GPL
(os balões de ar quente funcionam a gás propano), que permite consolidar a presença da marca neste segmento, reforçar a ligação emocional aos consumidores através de uma experiência única de lazer e, sendo este um evento itinerante, contribuir para o estímulo das economias locais.

Entre os restantes apoios encontram-se o Morgado Golf & Country Club, unidade  do grupo NAU Hotels & Resorts situada entre as praias de Portimão e a serra de Monchique, com dois campos de golfe e 98 frações de alojamento. A Caetano Auto Algarve, com o apoio de vários modelos da gama Toyota, marca fortemente comprometida com a inovação e sustentabilidade no setor automóvel. E a Europcar cuja participação “acompanha o apoio da marca em iniciativas ligadas ao desporto e várias outras formas de mobilidade alternativa onde se enquadra agora o balonismo, antecipando e acompanhando muitas tendências, na área da mobilidade, enquanto líderes neste setor”, segundo Nuno Barjona, Head of Marketing e New Mobility da empresa.

Como apoio à organização destacam-se a Algarve Balloons, empresa parceira da Windpassenger responsável pelos voos de balão na zona do Algarve, e ainda a AviationAudits.nl, Tap Portugal,  CM de Lagos, CM de Portimão, CM de Faro, CM de Albufeira, Junta de Freguesia de Alvor, o aeródromo de Lagos e o aeródromo de Portimão.

De destacar que todos os voos e espetáculos estão sujeitos às condições meteorológicas podendo ser cancelados à última hora por alteração das condições de meteorologia. Os locais de saída dos voos serão anunciados na véspera na página de Facebook do evento.

A dupla Miguel e Mónica em forças combinadas no Casino Lisboa


Com artistas de revelo mundial, os espectáculos de Novo Circo continuam em evidência no programa de animação cultural do Casino Lisboa. O duo Miguel e Mónica apresenta-se, na próxima Sexta-Feira e Sábado, dias 26 e 27 de Outubro, no Arena Lounge. A entrada é livre.

A experiente dupla sobe ao palco central do Arena Lounge para protagonizar um exercício de forças combinadas com elevado grau de dificuldade. 

A dupla explica assim as suas performances: "(Re)criamos o mundo à nossa maneira. De sexos igualados, fazemos do equilíbrio parte integrante da nossa força. A construção de cada imagem, o arrasto de cada movimento, mostram a beleza estética de dois corpos que se encontram em pura cumplicidade. Mostramos a capacidade técnica num momento em que nenhum dos sexos é Rei". 

Miguel e Mónica: Forças Combinadas

- 26 de Outubro: 1º set: 23h20 - 23h30 / 2º set: 00h20 - 00h30
- 27 de Outubro: 1º set: 23h20 - 23h30 / 2º set: 00h20 - 00h30

Noite de fado no Casino Estoril


Em noite de fado no Casino Estoril, agendada para amanhã, pelas 22 horas, Cláudia Leal e André Vaz sobem ao palco do Lounge D acompanhados por Diogo Lucena Quadros e Francisco Gaspar, nas guitarras, e Luís Roquette, na viola. A entrada é livre.

Cláudia Leal
Nascida em 1979, Cláudia Leal começou a cantar aos 14 anos, música ligeira, tendo participado em inúmeros Festivais de 1994 a 1998. Descobriu, então, uma nova paixão, o Fado. Venceu o concurso de cantores “Big Caloiro” do Programa televisivo “Big Show SIC” com o fado “Lágrima” de Amália Rodrigues e Carlos Gonçalves.

Cláudia Leal, conquistou, em 2006, o 2º lugar na "Grande Noite do Fado de Lisboa”, organizada pela Casa da Imprensa, tendo recebido, ainda, outras distinções ao longo da sua carreira. Convidada pelo fadista Machado Soares, participou em dois espectáculos de fado, no prestigiado Instituto do Mundo Árabe (IMA), em Paris. Cláudia Leal participou, também, noutros prestigiados espectáculos como, por exemplo, na “III Gala de Entrega de Prémios Amália” no Centro Cultural Olga Cadaval em Sintra.

André Vaz
André Vaz actua, habitualmente, nas mais conceituadas casas de fado de Lisboa. Faz parte do elenco de “Páteo de Alfama/Fado em si” e do projecto de sucesso “Fado in Chiado”.

O intérprete teve o primeiro contacto com o fado através de familiares e amigos fãs incondicionais da “canção nacional”. Com, apenas, 9 anos venceu a Grande Noite do Fado (1993). O seu percurso continuou com várias edições discográficas, aparições televisivas, presença num filme de Manoel de Oliveira, participações na série francesa "Montre Moi ta Ville” e no musical “Amália”, de Filipe La Féria.

Recorde-se que, o ciclo de noites de fados continua em destaque, às Quartas-Feiras, no Lounge D do Casino Estoril. Carlota e Gonçalo Castelbranco serão os protagonistas no dia 31 de Outubro.

Casino Lisboa recebe André Sarbib de 24 a 27 de Outubro


Pianista autodidacta, André Sarbib regressa amanhã ao Casino Lisboa para um novo ciclo de actuações. André Sarbib sobe ao palco multiusos do Arena Lounge, acompanhado por com Henry Sousa na bateria e Guto Lucena no Saxofone. Com entrada livre, até ao próximo Sábado, 27 de Outubro.

Falar de André Sarbib é mencionar um dos músicos portugueses mais prestigiados na área do jazz e não só.  Para fundamentar essa evidência seria suficiente aludir aos grupos e bandas que integrou. 

Com uma vasta carreira artística, André Sarbib participou em numerosos espectáculos e em projectos com músicos como, por exemplo, Joe Lovano, Barry Altschul, Ivan Lins, Carlos Benavente, Ruben d’Antas, Alice Day, Jorge Rossi, Saheb Sarbib, Carlos Carli, Jorge Pardo, Chavier Colina, Joachim Chacón, Paulo de Carvalho, Rão Kião, António Serrano ou Leonardo Amuedo.

Ciclo de música ao vivo com André Sarbib

Quarta-Feira, dia 24 de Outubro: 22h00 às 22h50 e das 23h10 às 00h00
Quinta-Feira, dia 25 de Outubro: 20h30 às 21h20 e das 23h20 às 00h10
Sexta-Feira, dia 26 de Outubro: 20h30 às 21h20 e das 23h30 às 00h20
Sábado, dia 27 de Outubro: 20h30 às 21h20 e das 23h30 às 00h20

Casino Lisboa inaugurou exposição Indian Motorcycle


O Casino Lisboa inaugurou ontem a exposição Indian Motorcycle. O público poderá observar vários modelos emblemáticos da mítica marca norte-americana. A entrada é gratuita.

Organizada pelo Casino Lisboa e pela Indian Motorcycle Lisboa, esta original exposição reúne alguns dos mais carismáticos modelos que marcaram diferentes épocas da história da marca norte-americana. Fundada em 1901, em Springfield, Massachusetts, a Indian Motorcycle é a mais antiga fabricante de motociclos nos Estados Unidos.

Os visitantes do Casino Lisboa poderão, assim, observar os seguintes modelos:
- Chief Vintage, Icone da marca Indian na versão Vintage.
- Roadmaster Elite, Touring com equipamento Premium de versão limitada a 400 unidades para todo o mundo, detalhes adornados a ouro de 24 K. Única na Península Ibérica.
- Scout Bobber,  Scout com look Bobber, minimalista, arrojada e agressiva.
- Scout Sixty, Entrada de gama da Indian, utilizada no poço da morte. 
- Chief Dark Horse,  O lado mais negro da versão Classic.
- Chief Classic, Charme, Elegância, Qualidade, Potencia e Conforto desde 1922 para os dias de hoje.
- Springfield Dark Horse, O seu nome é uma homenagem à cidade onde foram fabricadas as primeiras 
Indian “Springfield” conforto e condução fazem deste modelo uma Cruser de excelencia 
- Chieftain Dark Horse; Bagger de reconhecido design icónico. A melhor ciclística combinando potência e design.
 - Scout 1932; adquirida pelo avô do actual proprietário (João Nogueira) em 1932, pertenceu sempre à família. Encontra-se, nos dias de hoje, a circular em perfeitas condições.



Historia da Indian Motorcycle

1900 - Nasce a Primeira Motorizada
Nasce o Primeiro Fabricante de Motos Americano. Em 1901, o fabricante de bicicletas, promotor de corridas e antigo campeão de ciclismo George Hendee, contratou Oscar Hedstrom para construir motos a gasolina, fazendo evoluir assim o desporto de duas rodas. A máquina que ele criou provou ser tão potente e fiável, que granjeou uma reputação inesperada, conotando a marca a excelentes desempenhos. Naquele ano, foi inaugurada a primeira fábrica da empresa, no centro de Springfield. A primeira moto da Indian Motorcycle foi vendida ao público em 1902, e mais tarde, uma Indian venceu a prova de resistência que ligou Boston a Nova Iorque, na sua estreia absoluta em corridas públicas. Os pilotos passaram a vencer sucessivas corridas, estabelecendo novos recordes.

Em 1906, nasceu a primeira moto de competição de fábrica com motor de dois cilindros em V. Uma versão deste motor de competição passou para produção e venda ao público em 1907, equipando os modelos desse ano com o motor de 39”, com 633 cc, dois cilindros em V a 42º. Foi o primeiro motor em V de série a ser produzido na América.

1920 - Início da Lenda. É apresentada a Indian Motorcycle Company. O início da década de 1920 foi importante na ascensão da Indian Motorcycle. Foram apresentadas ao público várias motos, que rapidamente se tornaram icónicas. Em 1920, foi apresentada a primeira Indian Scout. Esta rápida, fiável e ágil moto, foi a responsável por atrair tantos motociclistas na época. À Scout seguiu-se a Chief (1922), a "best-seller" Big Chief® (1923), a Prince® (1925), e, após a compra da empresa Ace Motor Company, a Ace® (1927).

1940 - Um Mundo em Guerra. A Indian Motorcycle Presta Serviço ao seu País. Entre 1940 e 1945, a Indian Motorcycle centrou todos os esforços em dar o seu contributo na causa dos Aliados na 2ª Guerra Mundial, primeiro a fabricar motos para o Governo Francês e, a partir de 1941, começou a produzir o modelo 841 para o Exército Americano. Durante este período, muito poucas unidades foram fabricadas para os consumidores.

1970 - O Fim de uma Era. A Morte de Duas Lendas. O lendário piloto, importador, concessionário, editor, promotor de corridas, autor e fabricante de motos Floyd Clymer estava a trabalhar de forma empenhada para ressuscitar a defunta Indian Motorcycle, desde 1963. Clymer morreu de ataque cardíaco em 1970 e o seu advogado, Alan Newman, adquiriu os direitos da Indian Motorcycle. Newman continuou a vender motos de pequena cilindrada, que carregavam o nome e carisma da Indian. Em 1970 as vendas sofreram um grande declínio e as operações cessam em 1977.

Anos 90 - A Marca Renasce. A Lenda começa a regressar aos seus tempos de Glória. Em 1998, iniciou-se a produção de modelos exclusivos da Indian Motorcycle. Uma fusão entre nove empresas deu origem à Indian Motorcycle Company of America (IMCA), deu origem a uma nova unidade de produção em Gilroy, Califórnia. Aqui foram produzidos modelos como as Chief, Scout, e Spirit equipadas com motores fornecidos pela empresa S&S Cycle, Inc.

2000: Um Futuro incerto. Tempos complicados para o Primeiro Fabricante de Motos Americano® Em 2003, a Indian Motorcycle Company of America entra em falência e encerra a produção. O futuro do primeiro fabricante de motos americano era incerto. As coisas começaram a mudar para a Indian Motorcycle em 2008, quando a Stellican Ltd., uma empresa de capital privado, sediada em Londres, comprou os activos da Indian Motorcycle e abriu uma nova fábrica em Kings Mountain, Carolina do Norte. Começaram por produzir um número muito modesto das Indian Chief com motor em V de 105”, entre 2008 e 2011. Em 2011, a Stellican vendeu a Indian Motorcycle à Polaris Industries.

Em 2010 a lenda renasceu. A Indian Motorcycle® Regressou, Melhor e Mais Forte que nunca. Regista-se o início de uma década plena de desenvolvimento e crescimento para a Indian Motorcycle. Destacam-se diversas inovações tecnológicas, parcerias de grande valor e através de uma vasta gama de modelos, com estilo genuíno e autêntico Indian. Em 2011, a Polaris Industries anunciou a compra da Indian Motorcycle e, em 2013, Indian Motorcycle apresentou, pela primeira vez, o seu novo e poderoso motor de dois cilindros em V Thunder Stroke® de 111”. Em 2014,o Motorcycle.com elegeu a Indian ® Chief ®  como a cruiser do ano de 2014, com menções honrosas para a Chief ® Classic e a Chief Vintage e, no ano seguinte, a Indian Motorcycle apresentou a Chief Dark Horse ® e a Scout ® Sixty. Posteriormente, a Indian Motorcycle acelerou a sua jornada histórica através do regresso à competição profissional de Flat Track, com a estreia pública da ® Scout ® FTR750.
Em 2017, a Indian Motorcycle apresentou a Scout ® Bobber. O piloto Jared Mees, da equipa Indian Wrecking Crew, venceu o campeonato americano de Flat Track, no regresso da marca à competição passados mais de 60 anos. Já este ano, a Indian Motorcycle apresentou a nova  FTR1200.


A exposição Indian Motorcycles estará patente ao público no Casino Lisboa até 4 de Novembro, entre as 15 e as 3 horas da madrugada, excepto às Sextas-Feiras, aos Sábados e Vésperas de Feriado, cujo horário será das 16 às quatro horas da madrugada.